Suplente de Gleisi diz que denúncias não o prejudicarão

Sérgio Souza é alvo de denúncias de envolvimento com grupo que desviava dinheiro da Assembleia Legislativa do Paraná

AE |

selo

Sérgio Souza (PMDB-PR) assumirá na tarde de hoje a vaga no Senado deixada por Gleisi Hoffmann (PT-PR), que se tornou ministra-chefe da Casa Civil da Presidência da República na semana passada. Ele tomará posse como senador sob forte polêmica, pois é alvo de denúncias de envolvimento com grupo que desviava dinheiro da Assembleia Legislativa do Paraná.

Reprodução
Sérgio Souza, suplente da nova ministra da Casa Civil, Gleisi Hoffmann
Hoje, antes da posse, Souza tratou de minimizar o problema. Sobre as acusações de que sua mãe teria recebido salário do Legislativo paranaense sem dar expediente na Assembleia, o novo senador disse que o fato "não tem nada de anormal".

"A chefia de gabinete, que cuidava disso, disse que isso é normal. Era muito normal, não só na Assembleia, como em outras casas", declarou. Souza explicou que não sabia que estava sendo investigado pela Polícia Federal (em referência à operação Gafanhoto da PF, de 2008) e que o fato não prejudicará o seu mandato. "Isso, para mim, não tem nenhuma importância. Isso é uma provação que tenho de passar, porque temos de provar para os amigos, para o meu Estado, para a nação, para o meu País, que não há nada errado. Sou um senador jovem e tenho ideias novas. Não estou aqui para brincadeira. Talvez eu represente a renovação, não só para o Senado, mas para a política do meu Estado", disse.

Sérgio Souza é advogado e ligado ao ex-governador do Paraná Orlando Pessuti. Com a chegada de Souza, a bancada do PMDB no Senado, que já era a maior da Casa, passa a ter 20 senadores. A bancada do PT, que era a segunda maior e tinha 15 senadores, fica com 14.

    Leia tudo sobre: Gleisi HoffmannSérgio Souzaministrosenado

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG