Acusado de chefiar quadrilha de jogos ilegais que envolveria políticos está preso desde fevereiro em Mossoró (RN)

O ministro Gilson Dipp, do Superior Tribunal de Justiça (STJ), negou nesta quinta-feira (12) o pedido de habeas corpus para o bicheiro Carlos Cachoeira. O contraventor está preso desde 29 de fevereiro , acusado de chefiar uma quadrilha de máquinas de caça-níqueis, durante a Operação Monte Carlo, desencadeada pela Polícia Federal.

Agora o acusado terá de aguardar o julgamento do habeas corpus em decisão conjunta dos ministros da Quinta Turma do STJ.

Leia também: Polícia permitia funcionamento de bingos a mando de Cachoeira, diz PF

Alvo de operação da PF contra jogos ilegais, Cachoeira está preso desde fevereiro
AE
Alvo de operação da PF contra jogos ilegais, Cachoeira está preso desde fevereiro

O contraventor já teve um pedido de liberdade negado pela 3ª Turma do Tribunal Regional Federal da 1ª Região. Se não conseguirem convencer o STJ a soltar o empresário, os advogados poderão ainda recorrer ao Supremo Tribunal Federal (STF).

Os advogados de Cachoeira também pediram à Justiça sua remoção do presídio federal localizado em Moçoró, no Rio Grande do Norte, sob o argumento de que o preso não deveria ser submetido aos rigores do sistema federal, com diversas restrições que não são aplicadas em outros presídios. O pedido é para que Cachoeira seja transferido para alguma penitenciária mais próxima da família, que vive em Goiás.

A investigação feita pela Polícia Federal e os grampos autorizados pela Justiça apontaram o envolvimento do senador Demóstenes Torres (DEM-GO) com o esquema chefiado por Cachoeira. O senador se desfiliou do DEM para evitar um processo de expulsão e pode ser cassado por quebra de decoro parlamentar . Dados do processo ainda levantam suspeitas contra outros políticos de Goiás.

Leia mais: Governo do DF alugou área de empresa ligada a Cachoeira

Poder Online: Demóstenes transformou até comitê de ética em bingo

No STF já tramita um inquérito para apurar o suposto envolvimento de Demóstenes com Cachoeira. No final de março, o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Ricardo Lewandowski determinou a quebra do sigilo bancário de Demóstenes Torres. Ele também pediu ao presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP), que remeta a relação de emendas ao Orçamento apresentadas pelo congressista.

O Congresso também deve criar uma CPI para investigar a relação de Cachoeira com outro políticos. 

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.