Lewandowski autorizou diligências requeridas pelo procurador-geral. Além de Demóstenes, três deputados federais são investigados

O ministro Ricardo Lewandowski, do Supremo Tribunal Federal (STF), autorizou nesta quinta a quebra do sigilo bancário do senador Demóstenes Torres (DEM-GO) e de outros investigados por suspeita de envolvimento com o empresário Carlos Augusto Ramos, o Carlinhos Cachoeira, preso na Operação Monte Carlo, da Polícia Federal, por exploração de jogos ilegais em Goiás.

Lewandowski determina providências no inquérito do Ministério Público envolvendo senador Demóstenes Torres e autorizou uma série de diligências que tinham sido requeridas na terça-feira pelo procurador-geral da República, Roberto Gurgel.

O procurador-geral pediu a divisão do inquérito em duas partes. Uma no STF para Demóstenes Torres e mais três deputados federais de três Estados, incluindo um de Goiás, e outra parte do inquérito para os investigados sem foro privilegiado, que deverão responder em primeira instância.

iG explica: Entenda a crise envolvendo o senador Demóstenes Torres

Ex-líder do DEM Demóstenes Torres nesta terça-feira em seu gabinete no Senado
AE
Ex-líder do DEM Demóstenes Torres nesta terça-feira em seu gabinete no Senado

Além da quebra de sigilo, Lewandowski determinou a expedição de um ofício ao presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP), para que remeta a relação de emendas ao orçamento da União apresentadas por Demóstenes Torres. Ele também requereu a alguns órgãos (cujos nomes não foram divulgados) que encaminhem cópias de contratos celebrados com empresas mencionadas em conversas gravadas pela Polícia Federal.

No Senado

O presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP), classificou há pouco como "graves" as denúncias que envolvem o ex-líder do DEM. Sarney disse que vai dar encaminhamento à representação apresentada ontem pelo PSOL, que pede a abertura de processo por quebra de decoro parlamentar contra Demóstenes.

"As denúncias são graves e o que nós temos (que fazer) aqui é colocar em andamento as representações que forem feitas", afirmou Sarney , em rápida entrevista concedida depois da reunião com o presidente interino do Conselho de Ética do Senado, Jayme Campos (DEM-MT). Sarney não quis fazer qualquer avaliação sobre o futuro político de Demóstenes.

Possível expulsão

Ex-líder do DEM no Senado, Demóstenes Torres (GO) pode ser expulso de seu partido. Na terça-feira, a Executiva Nacional do Democratas (DEM) marcou uma reunião para decidir se será aberto um processo de investigação interna que pode levar à expulsão dele da legenda . Em entrevista ao Pode Online publicada no último domingo, Agripino já havia admitido a possibilidade de expulsão de Demóstenes Torres.

Demóstenes é suspeito de envolvimento em negociatas com o empresário do ramo de jogos Carlos Augusto Ramos, o Carlinhos Cachoeira. Escutas telefônicas mostraram, por exemplo, o senador pedindo dinheiro a Cachoeira para bancar uma viagem de táxi aéreo.

A revista Carta Capital do último fim de semana publicou o que afirma ser o teor de um relatório da Polícia Federal, no qual Demóstenes é acusado de receber recursos do esquema. Reportagem do jornal O Globo fala de um pedido de dinheiro feito pelo senador goiano ao contraventor. Semanas atrás, Demóstenes havia sido acusado de receber presentes e de trocar cerca de 300 telefonemas com Cachoeira, conforme informações da Polícia Federal.

(Com Agência Estado e Wilson Lima, iG Brasília)

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.