Sete vereadores anunciam saída do PSDB de São Paulo

Alegando 'perseguição', grupo tem como provável destino o PSD, criado pelo prefeito Gilberto Kassab

Matheus Pichonelli, iG São Paulo |

Uma semana após a eleição do novo diretório municipal do PSDB em São Paulo, sete dos 13 vereadores tucanos anunciaram a saída da legenda. Argumentando serem alvo de “perseguição” dentro do partido, entraram na lista os vereadores Gilberto Natalini, Juscelino Gadelha, Dalton Silvano, Adolfo Quintas Ricardo Teixeira, Souza Santos e o presidente da Câmara Municipal, José Police Neto.

AE
Vereador Gilberto Natalini está entre os que anunciaram saída do PSDB
A perseguição alegada pelos vereadores abre a oportunidade de migrarem para as fileiras do recém-criado PSD, do prefeito Gilberto Kassab, sem que percam seus mandatos na Câmara Municipal. Vários integrantes do grupo são diretamente ligados ao prefeito ou ao seu padrinho político, o ex-governador José Serra .

Por enquanto, os vereadores não quiseram confirmar a migração em massa para o PSD. "Cada um tem uma posição", disse Natalini, que foi secretário no governo Serra e integra a base de apoio ao tucano na capital paulista.

Os vereadores justificaram a decisão de deixar o partido com base na crise aberta no PSDB paulistano desde que o diretório municipal passou a ser comandado por Julio Semeghini. Aliado do governador Geraldo Alckmin , ele é secretário na administração estadual e foi eleito para comandar a instância partidária na semana passada. “O fato é que ficou difícil conviver em São Paulo com PSDB por conta da intransigência, da perseguição que sofremos por parte da direção municipal, inclusive com xingamento, com ofensa, com intolerância", disse Natalini.

Natalini referia-se a um vídeo feito durante uma reunião do diretório municipal. No filme, aliados de Alckmin teriam feito ataques ao grupo de vereadores quando discutiam a disputa por cargos no partido. Os vereadores, que pleiteavam cargos no diretório – como a presidência, a vice-presidência, a secretaria-geral e a tesouraria – e não tiveram os pedidos atendidos, afirmam que foram supostamente alijados da legenda por “perseguição”. 

Reação

Mais tarde, o líder do PSDB na Câmara Municipal de São Paulo, Floriano Pesaro, disse que irá conversar com dois dos sete vereadores para tentar reduzir o tamanho do desmonte da bancada tucana na Câmara Municipal. Adolfo Quintas e Souza Santos, embora tenham sido incluídos no grupo, não participaram do anúncio que oficializou o desligamento. "Com o vereador Souza Santos, temos mantido conversas permanentes e solicitei ao governador que converse com ele", disse Pesaro. Ele informou que Adolfo Quintas está fora do Brasil.

Na avaliação do líder, até a formalização do pedido de desfiliação "podem ocorrer mudanças". "Não queremos que mais ninguém saia do partido. Vamos atuar para manter os demais juntos". Pesaro disse que cabe ao diretório municipal uma decisão sobre requerer na Justiça Eleitoral os cargos perdidos. Procurados, os vereadores Adolfo Quintas e Souza Santos não foram encontrados.

Com informações da Agência Estado

    Leia tudo sobre: psdbvereadorescrise

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG