Aliados do ex-governador de São Paulo duvidam do plano do Palácio dos Bandeirantes para formar quatro candidatos

Chalita foi secretário de Educação do primeiro governo de Alckmin
Claudio Augusto
Chalita foi secretário de Educação do primeiro governo de Alckmin
Tucanos aliados de José Serra avaliam que o deputado federal Gabriel Chalita (PMDB) é aposta de Geraldo Alckmin, atual governador de São Paulo, para impedir a vitória de Fernando Haddad (PT) na corrida pela prefeitura paulistana.

Pessoas próximas a Serra não acreditam que o Alckmin esteja, de fato, empenhado em lançar o ex-governador para mais um mandato na Prefeitura de São Paulo _Serra comandou a cidade entre 2004 e abril de 2006 quando renunciou para disputar o governo do Estado.

Leia também entrevista com Gabriel Chalita: "Só aceito ser candidato a prefeito de São Paulo"

Ainda segundo avaliação de serristas, Alckmin deseja lançar um candidato tucano sem firmar aliança com o PSD, do atual prefeito Gilberto Kassab. Desse modo, não teria de amarrar um acordo para 2014, quando tentará a reeleição.

Há cerda de dois meses, Kassab sinalizou a possibilidade de fazer uma parceria com o PSDB para a prefeitura paulistana, desde que pudesse ser o candidato a vice de Alckmin em 2014. Na negociação, o PSD apoiaria Serra ou reivindicaria a cabeça de chapa.

Nesse caso, o candidato apoiado por PSDB e PSD seria Afif Domingos, atual vice-governador de São Paulo. Setores tucanos, porém, resistem. Há quatro pré-candidatos no partido: o deputado federal Ricardo Trípoli, e os secretários estaduais José Aníbal, de Energia, Bruno Covas, de Meio Ambiente, e Andrea Matarazzo, de Cultura. Dos quatro, Covas e Matarazzo aparecem como favoritos.

As prévias foram marcadas para março. Até lá, PSD e PSDB ainda vão insistir numa aliança contra o PT. Kassab, porém, tem dito que só abre mão da cabeça de chapa se Serra for o candidato.

Covas x Matarazzo

“Vai afunilar entre o Bruno e o Matarazzo”, avalia o deputado Mendes Thame (PSDB-SP), atual presidente da seção paulista Instituto Teotônio Vilella.

Matarazzo é mais próximo de Serra e Bruno Covas, de Alckmin. Um tucano experiente corrige: “O candidato do coração de Alckmin, na verdade, é Gabriel Chalita”.

Questionado, o pré-candidato do PMDB paulista critica a avaliação de serristas. “O problema é que eles pensam como se Geraldo fosse o Serra. É claro que temos muita afinidade, mas ele vai apoiar o candidato do PSDB”, diz.

Chalita foi secretário de Educação do primeiro governo de Alckmin. Em 2006, ele defendeu que o então governador fosse o candidato a presidente da República em vez de Serra. Alckmin disputou o Planalto e Serra concorreu ao governo de São Paulo.

Em passagem por Brasília ontem, Serra defendeu mais uma vez que o PSDB, PSD e DEM estejam unidos contra o PT. “Em São Paulo tem dois lados, o nosso e o do PT”, disse.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.