Serra ao iG: 'Muita gente diz: que pena que Lula não apoia Serra'

Em entrevista ao iG, candidato tucano diz que pesquisa interna do PSDB mostra que eleitores de Dilma gostariam de votar em Serra

Adriano Ceolin, iG Brasília, e Nara Alves, iG São Paulo |

O candidato do PSDB à Presidência da República, José Serra , afirmou em entrevista ao iG nesta sexta-feira que pesquisas internas realizadas pelo partido apontam que muitos dos eleitores de sua adversária petista Dilma Rousseff gostariam, na verdade, de votar nele próprio.

"Se você pegar qualquer pesquisa e perguntar por que vota na Dilma, é por causa do Lula. É interessante pegar pesquisas de grupos. Muita gente diz: 'Que pena que o Lula não apoia o Serra. Porque eu queria mesmo era votar nele. Mas eu voto na candidata do Lula'", disse Serra.

Flávio Torres/Fotomídia

De acordo com o presidenciável, se Lula adotasse uma postura neutra nesta campanha, a imprensa já "estaria dizendo qual seria o meu ministério". Para ele, o apoio do presidente é "o único fator que mantém a Dilma". "Só. Único, exclusivo, é o Lula estar apoiando. Mais nada".

Mostrando-se otimista, o candidato disse, ainda, que confia na vitória do PSDB nas urnas em outubro, por possuir uma rejeição junto ao eleitor "muito baixa". "Eu não tenho rejeição. Minha rejeição é muito baixa. É um fator que me dá muito vigor e me faz confiar muito na vitória", afirmou.

nullNo Nordeste, ressaltou o tucano, os eleitores afirmam que votam "na mulher do Lula". Isso, segundo ele, é o que seus amigos lhe dizem. "Para mim, ninguém diz. Eu sou sempre bem recebido. Você vai na cidade mais pobre do interior de qualquer Estado eu sou maravilhosamente bem recebido. Não é possível que todas pessoas que me recebem tão bem votem em mim", disse.

Na visita ao iG , Serra também comentou a polêmica provocada com a veiculação de sua imagem junto à do presidente Lula nos primeiros dias do horário eleitoral gratuito na televisão. Também aproveitou para fazer críticas ao discurso de Dilma na área econômica . Queixou-se ainda do espaço dado a temas da campanha na cobertura feita pela imprensa e comentou a falta de empenho de parte de seus aliados na campanha nacional.

Por que o Lula e não FHC

Porque o Lula é o presidente da República atual que fez uma candidatura. Nós estamos numa disputa eleitoral. A disputa não é entre Fernando Henrique e Lula. Como não é sequer Serra e Lula. O FHC ajuda. Claro que ajuda, mas ele não está disputando a eleição. O PT governou a partir das condições que foram fixadas no governo dele.

Dilma e a economia

"A Dilma foi contra o Real, que ficou aí. Ela diz uma coisa que foi um absurdo. A minha dúvida é se ela diz por má fé ou por desconhecimento de economia. Ela tem dito coisas sobre economia realmente incríveis. Então, de repente, é desconhecimento de economia. Que inflação de 2002 estava descontrolada, o que é brincadeira. O que houve em 2002 foi um excitamento por conta da questão eleitoral, do programa que o PT tinha por causa da dívida externa. Causou nervosismo e os preços subiram ao pouco. Mas não tinha nenhum descontrole"

Ingratidão do PT

"A ingratidão sempre para mim é uma cicatriz de alma torturada. Seja nas pessoas, seja nas entidades e instituições. É um caso patológico que não haja igual na história brasileira como essa de alguém que chega ao governo usa tudo que o outro construiu e se dedica a destruir a imagem do outro. Aliás, a Dilma está elogiou a privatização das telecomunicações. Não estatizaram nada do que foi privatizado. O governo está fazendo um tipo de privatização muito interessante, que dá o dinheiro para o capital privado"

Temas da campanha

"Fui na CNI e a imprensa não deu uma linha do que falei. Na CNA, fiquei três ou quatro horas com pessoas do ramo. Você vai na imprensa, não sai nada. Em geral sai na coletiva que você dá que fulano falou que não veio. Eu acho que além do inevitável ti-ti-ti e das pesquisas seria bom ter lugares só de aprofundamento de teses que fiquem pelo menos na internet. Eu até parabenizo o iG no sentido de abrir o espaço para discussões"

Falta de empenho dos aliados

"O candidato que não se preocupa com sua própria campanha é um doido. É muito difícil se eleger. Então os candidatos. Não sou centralizador. Quem trabalhou comigo sabe que eu delego. Não tem essa história. É a falta do que falar. Você não consegue comandar tudo. Eu não sou daqueles que tentando o fazer. Eu sempre procuro ser racional. Quem é centralizador é irracional. Você trabalha o dobro para render metade. O partido está fazendo uma campanha. Cada um tem de cuidar da sua, senão não se eleja. A melhor eleição foi a de 1989 quando só havia a disputa presidencial"

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG