Senadora do PSOL tenta barrar posse de Jader Barbalho

Marinor Brito volta a recorrer ao Supremo para tentar impedir que peemedebista assuma vaga no Senado

Agência Brasil |

A senadora Marinor Brito (PSOL-PA) ingressou com mandado de segurança no Supremo Tribunal Federal (STF) na tentativa de impedir que a Mesa Diretora do Senado dê posse amanhã (28) a Jader Barbalho (PMDB-PA). A senadora, que deixará a Casa com a posse de Jader, alega que a convocação extraordinária contraria dispositivos legais e constitucionais, e que a posse durante o recesso é ilegal.

Saiba mais:
Supremo libera posse de Jader Barbalho no Senado

Supremo barra recurso de Marinor Brito contra posse de Jader


AE
Candidatura do peemedebista havia esbarrado na Lei da Ficha Limpa
Segundo colocado nas eleições para o Senado no Pará, Jader Barbalho foi barrado pela Lei da Ficha Limpa e teve o registro negado pela Justiça Eleitoral. Contudo, há duas semanas, o STF determinou que o Senado dê posse ao ex-governador já que a Corte decidiu que a Lei da Ficha Limpa não poderia ter sido aplicada nas últimas eleições.

No mandado de segurança, Marinor Brito alega que a Constituição Federal prevê que o Congresso Nacional só pode se reunir durante o recesso legislativo se houver convocação extraordinária ou, em caso de prorrogação da sessão legislativa. A senadora sustenta ainda que houve "abuso de direito", por parte do presidente da Mesa Diretora, José Sarney (PMDB-AP), ao comunicar, por meio de ofício, a reunião para a posse.

Na semana passada, o STF arquivou outro recurso apresentado pela senadora do PSOL paraense a fim de impedir a posse de Jader Barbalho. No documento, a parlamentar contestava decisão do plenário da Corte que liberou o registro de candidatura do político.

Para Marinor Brito, o Supremo não poderia ter usado o voto de qualidade do presidente Cezar Peluso, previsto no regimento interno da Corte, para solucionar o impasse sobre a situação de Jader Barbalho após novo empate de 5 a 5 entre os ministros em votação sobre a validade da Lei da Ficha Limpa, em novembro. Na ocasião, eles preferiram esperar a chegada da ministra Rosa Weber, mas em dezembro o caso foi retomado e o plenário decidiu que o voto de Peluso poderia valer por dois.

Ao arquivar o recurso, o ministro Joaquim Barbosa disse que o mandado de segurança só pode ser usado para atacar decisões judiciais em "situações excepcionalíssimas", o que entendeu não ser o caso.

Marinor assumiu a vaga de segunda senadora eleita do Pará no ano passado depois de terminar a votação em quarto lugar. Isso só foi possível porque os registros do segundo e do terceiro candidatos mais votados, Barbalho e Paulo Rocha, respectivamente, foram negados de acordo com a Lei da Ficha Limpa. Com a anulação dos efeitos da lei para 2010, eles se tornaram novamente elegíveis.

    Leia tudo sobre: ficha limpaeleições 2010

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG