Secretário de Justiça do DF é afastado por suspeita de corrupção

Alírio Neto é investigado pela Corregedoria da Polícia Civil desde agosto, por envolvimento em esquema apurado pela PF

Valor Online |

O governador do Distrito Federal, Agnelo Queiroz, aceitou pedido feito pelo secretário de Justiça, Alírio Neto, e decidiu afastá-lo do cargo por 30 dias. Neto é investigado pela Corregedoria da Polícia Civil desde agosto por suposto envolvimento no esquema de corrupção revelado pela operação Caixa de Pandora.

Veja o especial do iG sobre o escândalo no Distrito Federal

Em nota à imprensa, o governador afirmou ter tomado a decisão "para garantir isenção e transparência nas apurações em andamento". Após agradecer a contribuição do secretário ao governo do DF, Agnelo disse "que aguardará a conclusão dos procedimentos instaurados na Secretaria de Estado de Justiça, Direitos Humanos e Cidadania do Distrito Federal".

A operação Caixa de Pandora, deflagrada pela Polícia Federal no fim de 2009, revelou vídeos gravados pelo então secretário Durval Barbosa com imagens de deputados e do próprio governador José Roberto Arruda (DEM) supostamente recebendo dinheiro ligado a campanhas eleitorais no DF. Neto também era secretário de Justiça no governo de Arruda.

Delator do esquema, Durval Barbosa disse à Secretaria de Transparência do Distrito Federal que Alírio Neto, um ex-diretor-geral da Polícia Civil e dois servidores da corporação cobrariam propina de 10% dos contratos firmados com empesas de informática. Deste valor, 40% seriam entregues a Alírio Neto. Com o afastamento de Alírio Neto, assume a Pasta o secretário-adjunto Jefferson Ribeiro.

    Leia tudo sobre: Corrupçãodistrito federalcaixa de pandora

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG