Sarney e Itamar protagonizam embate regimental no Senado

Os dois ex-presidentes discutiram sobre regras durante a sessão que aprecia o novo salário mínimo

Nara Alves, iG São Paulo |

Dois ex-presidentes da República protagonizaram um embate regimental durante a sessão de votação no novo salário mínimo nesta quarta-feira no Senado. Por três vezes seguidas, o senador Itamar Franco (PPS-MG) tentou adiar a votação do projeto que reajusta o valor para R$ 545, alegando que o regimento não foi cumprido. Depois de elogiar o “amigo” Itamar, o presidente da Casa, José Sarney (PMDB-AP), negou todos os pedidos do senador mineiro.

“Não podemos ficar ao arbítrio da presidência da Casa. O senhor ( José Sarney ) descumpriu o regimento”, rebateu Itamar. Para o senador mineiro, o requerimento de urgência na votação do mínimo deveria ter sido lido durante o expediente do Senado. Segundo Sarney, no entanto, o regimento não faz essa imposição. “Segui o acordo feito entre os líderes ( dos partidos )”, respondeu Sarney.

Irritado, Itamar questionou “então, pra quê regimento? Aplica-se só quando interessa”. Vendo que seria impossível ter algum pedido de adiamento da votação acatado por Sarney, Itamar desistiu de apresentar uma nova questão de ordem, como havia planejado fazer.

“O Senado hoje, se colocarmos o espelho côncavo da física ondulatória, vamos ver que precisamos fechar esse Senado”, disse Itamar. Para finalizar sua participação, o senador mineiro provocou: “Tomemos cuidado quando o Senado deixa de ser real para se tornar manobra da maioria”.

Após a fala de Itamar, a senadora Marinor Brito (PSOL-PA) ressaltou que, assim como Itamar, ela também, como líder de seu partido no Senado, não fora consultada.

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG