Sarney defende que servidores sejam liberados de bater ponto

Presidente do Senado autorizou parte dos funcionários de seu gabinete a não registrar frequência e diz que exemplo é positivo

AE |

selo

O presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP), afirmou hoje que a liberação de um terço dos funcionários de seu gabinete da obrigação de bater ponto foi um "bom exemplo". A afirmação se baseia no fato de que alguns colegas liberaram todos os seus subordinados da obrigação. O Senado gastou cerca de R$ 1,2 milhão para instalar um sistema de registro de frequência no qual o servidor é identificado pela impressão digital.

A afirmação de que sua ação é positiva foi dada por Sarney ao ser questionado se não seria um mal exemplo o presidente da Casa permitir a seus servidores ficar fora do controle de frequência. "Mau exemplo não, ao contrário, é um bom exemplo. Porque são muito poucos os que nós liberamos. São aqueles que essencialmente o diretor achou que para o seu serviço era preciso. Muitos gabinetes liberaram todos os funcionários."

Sarney disse ainda não se sentir "responsável" pela liberação. Apesar de os funcionários serem seus, ele afirmou que cabe ao chefe de seu gabinete decidir quem deve cumprir a norma de bater ponto. "Eu acho que não sou o responsável, cada um de nós tem diretores dos seus gabinetes (...) Foi o diretor do gabinete quem liberou, não fui eu quem liberou, foi o diretor quem liberou, muito restritamente. Foram poucos funcionários".

O presidente da Casa afirmou que os servidores liberados da obrigação desenvolvem atividades externas ao gabinete. "São aqueles encarregados da interligação com ministérios e que têm trabalhos que não se desenvolvem só dentro do gabinete. Eles cumprem o horário e são sujeitos à fiscalização do ponto, mas têm atividade externa ao gabinete".

    Leia tudo sobre: pontosenadodenúncias

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG