Roriz oferece a advogado pagamento sem trabalho

Novo trecho do vídeo revela negociação entre Roriz e genro de ministro do STF para diminuir preço da interferência no Supremo

Severino Motta e Danilo Fariello, iG Brasília |

nullEm um novo trecho do vídeo obtido pelo iG que registrou conversa entre o ex-governador do Distrito Federal Joaquim Roriz (PSC) e o advogado Adriano Borges -- genro do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Carlos Ayres Britto -- o então candidato tenta reduzir o pagamento ao advogado. Fala-se, no diálogo, em “R$ 1 milhão a R$ 1,5 milhão”, apenas para ele colocasse sua assinatura no recurso ao STF.

Esse trecho é posterior ao inicialmente apresentado pelo iG , em que Borges sugeria um valor de R$ 4,5 milhões para fazer parte do recurso de Roriz ao STF. Com a participação de Borges, o ministro Ayres Britto poderia ficaria impedido de participar do julgamento, o que daria chances de Roriz sair vitorioso no Supremo.

No vídeo, o ex-candidato chega a afirmar que o pagamento seria feito para Borges para o advogado ficar “sem fazer nada”, somente figuraria no processo. O advogado recusa a proposta nestes termos, afirmando que não estava ali exclusivamente para causar impedimento, mas para colaborar com a produção da peça jurídica que seria entregue ao STF.

Segundo Borges, por meio de sua assessoria de imprensa, “uma leitura atenta do vídeo mostra que a todo instante ele se coloca como profissional, para trabalhar nas peças”. Afirma, ainda, que, ao fim da conversa, ele pede para que seu nome seja retirado do processo por conta da não-realização do acordo.

“O trabalho foi oferecido de forma legítima”, disse Adriano por meio de sua assessoria.

Dias depois da retirada de seu nome, o colunista Cláudio Humberto publicou nota em seu site revelando as tratativas entre Borges e Roriz, que poderiam desaguar no impedimento de Britto no processo do STF.

O iG entrou em contato com o assessor de Roriz, Paulo Fona. Ele disse que o ex-governador só iria comentar o vídeo nesta sexta-feira.

Advocacia

Borges e a sua esposa, Adriele, filha do ministro Ayres Britto, já representaram o candidato ao governo de Rondônia Expedito Junior também em ação relacionada ao Ficha Limpa no STF. Borges diz que há muitos anos advoga para o político de Rondônia.

Por amizade, segundo conta, Borges também representou os magistrados de Mato Grosso, que foram afastados em processos administrativos disciplinares do Conselho Nacional de Justiça (CNJ). Borges, que morou em Cuiabá (MT), diz ter amizade com os juízes, por isso defendeu-os.

Assista ao vídeo na íntegra

    Leia tudo sobre: rorizayresbrittostfadrianoborgesficha limpa

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG