Relações entre poder e imprensa paulista são tema de novo livro

Jornalista Oscar Pilagallo lança 'História da Imprensa Paulista' e tenta identificar como publicações reagiram diante dos fatos desde D. Pedro 1º até o governo Dilma

iG São Paulo |

Reprodução
'História da Imprensa Paulista - Jornalismo e Poder de D. Pedro I a Dilma', de Oscar Pilagallo
As relações entre o poder político e a imprensa em São Paulo são o tema do novo livro do jornalista Oscar Pilagallo, História da Imprensa Paulista - Jornalismo e poder de D. Pedro I a Dilma , que tem seu lançamento nesta segunda-feira, a partir das 19h na Livraria Cultura do Conjunto Nacional, na capital paulista.

Autor de A História do Brasil no Século 20 , Pilagallo faz um retrato da imprensa no Estado e sua relevância nos acontecimentos nacionais a partir de publicações como os jornais Folha de S. Paulo , O Estado de S. Paulo , Última Hora e as revistas Realidade , Veja e IstoÉ .

"Como são duzentos anos de história, meu método foi escolher, nesse período, os momentos mais importantes do ponto de vista da relação entre a imprensa e o poder. Por exemplo, na Proclamação da República há um impacto grande, porque os jornais paulistas, na época, fizeram uma campanha a favor da República", afirmou o autor ao iG .

Abordando temas cruciais da história brasileira, Pilagallo expõe o papel e a relevância da mídia desde o assassinato do jornalista Libero Badaró, em 1830, passando pelo Estado Novo, a ditadura militar e a redemocratização.

Sua nova obra foi fruto de pesquisas realizadas desde os anos 1970, quando começou a trabalhar como jornalista. "Sempre pesquisei a história da imprensa do Brasil, com foco mais em imprensa paulista. De certa maneira, a pesquisa mesmo (para escrever o livro) tem sido durante todo esse tempo. A parte de redação levou em torno de um ano."

Pilagallo afirmou que nas 368 páginas do livro tentou identificar como cada um dos maiores jornais e revistas reagiram diante de momentos históricos importantes, como o tenentismo, a Revolta Constitucionalista, a ditadura e a queda do ex-presidente Fernando Collor, por exemplo. "A imprensa não agia como um bloco. Sempre teve pequenas diferenças, um (jornal) mais conservador, um mais liberal. Às vezes, um que era mais liberal em um momento, era mais conservador em outro", explica.

O autor enxerga uma evolução positiva da imprensa paulista desde o século 19 até os dias de hoje, pois, para ele, as publicações têm, ao menos, um comprometimento com a imparcialidade e são menos engajadas do que eram entre os anos 1950 e 1960. "Embora (os jornais de hoje) não tenham atingido a imparcialidade, comparando, há uma evolução. O que existia era muito ruim. O engajamento era muito visceral. Ela (a imprensa) não era profissional."

História da Imprensa Paulista - Jornalismo e Poder de D.Pedro 1º a Dilma
Autor: Oscar Pilagallo
Editora: Três Estrelas
Ano: 2012
Idioma: Português
Especificações: 368 páginas

Preço: R$ 59,90

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG