Reajuste do Judiciário teria impacto de R$ 7,7 bilhões

Mensagem enviada por Dilma ao Congresso Nacional elenca série de argumentos contra a proposta

iG São Paulo |

AE
Dilma enviou mensagem ao Congresso para explicar posição do governo sobre o reajuste
A mensagem enviada hoje pela presidenta Dilma Rousseff ao Congresso , sobre o impacto que a proposta de reajuste do Judiciário teria no Orçamento, elenca uma série de argumentos para justificar a posição contrária do governo aos aumentos de 14,7% nos vencimentos de magistrados e procuradores, e de 56% para os demais servidores. O reajuste, segundo a projeção do governo, teria um impacto de R$ 7,7 bilhões nas contas públicas.

Leia também:
- Reajuste faz Dilma escrever ao Congresso
- STF reage a corte em orçamento

O primeiro item citado por Dilma é que "em função de um quadro de incerteza econômica mundial, é indispensável que o Brasil mantenha uma realidade fiscal responsável que lhe permita lidar com sucesso com eventuais situações de crise".

O segundo ponto destaca que "há possibilidade de agravamento na situação econômica internacional em 2012, com risco de recessão em economias avançadas e forte volatilidade nos preços dos ativos financeiros".

Em terceiro lugar, o texto ressalta que "um aumento excessivo na despesa primária do governo central traria insegurança e incerteza sobre a evolução da economia brasileira em um contexto internacional já adverso".

Em quarto lugar, é destacado pelo governo que "é necessário que esse esforço seja compartilhado por todos os Poderes da República" e que "a inclusão de propostas grandes de reestruturação para o funcionalismo federal prejudicaria a efetiva implementação de políticas públicas essenciais como as da saúde, educação e redução da miséria".

No último parágrafo da mensagem ao Congresso, assinada pela presidenta, está presente a citação de que "todavia, em respeito ao principio republicano da separação dos Poderes e cumprindo o dever constitucional, submeto à elevada consideração desse Congresso Nacional as proposições anexas".

*Com informações da Agência Estado

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG