PT vê em Lula e Dilma alavanca para impulsionar Haddad em SP

Apesar de ministro registrar entre 3% e 4% das intenções de voto, partido comemorou pesquisa

Ricardo Galhardo, iG São Paulo |

Apesar dos baixos índices de intenção de voto do pr-candidato petista à Prefeitura de São Paulo, Fernando Haddad, dirigentes petistas demonstraram otimismo como resultado da pesquisa Datafolha de domingo, na qual o ministro da Educação tem entre 3% e 4%.

Estratégia tucana: PSDB alimenta discurso por candidatura de Serra com apoio do PSD

Repercussão: Pré-candidatos na eleição em SP 'são todos japoneses', diz FHC

AE
Por enquanto, candidato de Lula ainda tem apenas de 3% a 4% das intenções de voto
O presidente nacional do Partido, Rui Falcão, destacou o alto índice de influência da presidenta Dilma Rousseff e do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva sobre o eleitorado (48%) e os índices de rejeição ao ex-governador tucano José Serra (35%).

“A pesquisa é muito positiva para nós ela identifica algo que nós já havíamos identificado há um mês e meio atrás que é a grande influência do Lula e da Dilma. Na eleição passada o (Geraldo) Alckmin tinha muito mais influência”, disse Falcão. “Outro dado relevante á a rejeição elevada do candidato melhor colocado do PSDB (Serra)”, completou.

Apesar da rejeição, Falcão continua apostando em Serra como adversário tucano de hadad no ano que vem.

Segundo ele, com mais exposição, presença física na cidade depois de se desvincular do ministério em janeiro e o apoio de Lula e Dilma, Haddad tem boas chances de vencer a disputa. De acordo com o Datafolha, o ministro ainda é desconhecido de 63% do eleitorado.

O presidente do diretório estadual do partido, Edinho Silva, também reagiu com otimismo à pesquisa. Em texto divulgado ontem, Edinho classificou como “inegável o favoritismo” de Haddad, que teria uma “avenida” para crescer.

O dirigente chegou a vislumbrar nos números a possibilidade de uma vitória de Haddad ainda no primeiro turno. “O destaque da pesquisa é a capacidade do ex-presidente Lula de influir na decisão de voto: 48%. É muito próxima dos 50% mais 1, ou seja, do necessário para a construção de uma vitória no primeiro turno”.

    Leia tudo sobre: eleições 2012Fernando HaddadJosé Serra

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG