PT tenta acordo para manter prefeito de Campinas no cargo

Partido mobilizou dirigentes para que procurem base e oposição, para evitar afastamento de Demétrio Vilarga

iG São Paulo |

Depois de conseguir na Justiça uma liminar para evitar o afastamento do novo prefeito de Campinas, Demétrio Vilarga, o PT tenta articular um acordo para manter o controle da administração municipal. Sob comando da direção paulista da sigla, líderes petistas na cidade começaram a procurar membros da base e da oposição para pedir uma trégua e tentar evitar a cassação de mais um prefeito.

AE
Demétrio Vilarga só se mantém no cargo graças a uma liminar obtida na Justiça

O discurso que alimenta as negociações passa até mesmo pelo repasse de recursos federais, de acordo com petistas na cidade. Eles avaliam que, se o novo prefeito conseguir assegurar o fluxo de verbas em projetos que estão em andamento, teria alguma chance de ganhar o apoio de parte dos vereadores que, embora pertençam a partidos que integram a aliança que elegeu o prefeito cassado Hélio de Oliveira Santos, o Dr. Hélio (PDT), contribuíram para o seu impeachment.

 A crise que atinge a administração municipal de Campinas teve início em maio deste ano, quando uma operação liderada pelo Ministério Público estadual desmantelou um suposto esquema de fraudes em licitações na Sociedade de Abastecimento de Água e Saneamento S/A (Sanasa). Entre os vários presos na operação estavam a mulher de Doutor Hélio, Rosely Nassim, apontada como suposta mentora do esquema, além do então vice-prefeito, Demétrio Vilarga. O petista estava em viagem ao exterior e só foi preso quando retornou ao Brasil .

O desenrolar da crise resultou na cassação de Dr. Hélio, no último dia 20 , após 44 horas de deliberação na Câmara Municipal. Vilarga assumiu o cargo , mas teve seu afastamento aprovado pelos vereadores em seguida. Sua permanência no cargo se apoia em uma liminar. No fim da última semana, Dr. Hélio tentou reaver o mandato , pedindo na Justiça a anulação da sessão e do decreto que determinaram sua cassação. O pedido foi negado .

AE
Edinho Silva diz trabalhar para 'pacificar' a situação na cidade
O clima é de pouco otimismo em relação à capacidade de Vilarga de segurar o posto, já que as conversas ocorrem em meio a uma guerra judicial para definir o controle da cidade.

Ainda assim, o comando estadual do PT entrou em campo no trabalho de convencimento. O presidente do partido em São Paulo, Edinho Silva, tem participado de encontros com o representantes das principais bancadas na Câmara Municipal. A ordem é conversar com todas as legendas, sem exceção.

“Estamos fazendo um esforço para pacificar a situação, pois estamos falando de uma cidade estratégica, que pode continuar se beneficiando de um momento positivo, favorável ao desenvolvimento e ao crescimento”, diz Edinho Silva.

Escalado para ajudar nas conversas, o líder do partido na Câmara Municipal, Angelo Barreto, diz que as negociações têm avançado, apesar da pressão trazida pela aproximação das eleições municipais. Mesmo em meio à crise, diz ele, o PT não descarta lançar candidato próprio na cidade. “É muito difícil neste momento qualquer discussão que não passe pela candidatura própria”, afirma o vereador.

    Leia tudo sobre: campinasfraudeedinho silvademétrio vilarga

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG