PT desafia Lula e insiste em palanque duplo em MG

Coordenadores das prévias entre Patrus e Pimentel garantem ao iG: a disputa é pela vaga de candidato ao governo e não ao Senado

Adriano Ceolin, iG Brasília |

À revelia do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, o PT de Minas Gerais realiza prévias neste domingo para escolher o candidato do partido ao governo do Estado. A disputa é entre o ex-prefeito de Belo Horizonte Fernando Pimentel e o deputado federal e ex-ministro Patrus Ananias (Desenvolvimento Social).

O presidente do PT de Minas Gerais, deputado Reginaldo Lopes, disse ao iG que não vai aceitar imposição do PT nacional para fazer aliança com Hélio Costa (PMDB), que seria o candidato ao governo com Patrus ou Pimentel na chapa para o Senado. “Não se faz aliança por decreto. E se for feito não funcionará na prática”, disse.

Como parte do acordo para fazer o PMDB aliado na chapa de Dilma Rousseff (PT) na disputa pela Presidência da República, Lula prometeu a Hélio Costa que ele seria o candidato único do governo em Minas. O problema é que nem Patrus nem Pimentel aceitaram abrir mão da vaga até agora.

Isso motivou até a possibilidade de se realizar uma intervenção no diretório do PT de Minas. Lopes, porém, duvida. “Essa chance é mínima. Zero ou abaixo de zero”, disse. Sem citar nenhum nome, o deputado afirma que o processo de aliança com o Helio Costa foi mal conduzido e por isso defende dois palanques em Minas para Dilma.

“Não há problema discutir quem tem mais viabilidade eleitoral, mas não pode vir com o prato feito”, disse Lopes. “Quando colocam palanque único, com o PMDB encabeçando, é uma tese desrespeitosa. Isso me obrigou a defender palanque duplo”, completou o presidente do PT mineiro.

Ele não concorda com a tese de que Helio Costa tem de ser o candidato porque está à frente das pesquisas eleitorais. “Precisamos ver qual é a consistência. Do ponto de vista quantitativo, dependendo da abordagem, há empate técnico com o Pimentel. Do ponto de vista qualitativo, o que nós temos é que o Pimentel como melhor candidato”, disse.

O presidente petista não descarta por completo uma possível aliança com Helio Costa. Mas alerta que isso só poderá ocorrer após a convenção do partido marcada para o dia 21 de maio. “A aliança tem de ser submetida ao Congresso do PT, marcado para o fim de maio. Antes disso não tem decisão em Minas”, disse.

Em dezembro do ano passado, Lopes venceu a disputa pelo comando do PT de Minas. Ele derrotou o dirigente Gleber Naime, que é ligado ao grupo do deputado Patrus Ananias. Em entrevista ao iG, Naime afirmou que o partido está unificado em torno da candidatura própria ao governo.

“Conseguimos unir o partido. Agora a disputa á para quem vai ser candidato ao governo Quem diz o contrário quer nos atrapalhar. Não existe essa história de que as prévias são para a vaga do Senado”, disse Naime. “O PT nacional que não quer candidato próprio. Porém, o PT de Minas só tem um pensamento: ter candidato ao governo”, completou.

    Leia tudo sobre: PTMInas

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG