PT decide que 50% dos dirigentes serão obrigatoriamente mulheres

Partido também estabeleceu que pelo menos 20% têm que ser jovens e o mesmo porcentual mínimo de negros

Ricardo Galhardo, enviado a Brasília |

O 4º Congresso Nacional do PT aprovou no início da noite deste sábado a paridade entre homens e mulheres em todas as instâncias da direção partidária. A partir do próximo Processo de Eleições Diretas (PED), marcado para o ano que vem, 50% dos cargos de direção devem ser obrigatoriamente ocupados por mulheres.

A decisão gerou o debate mais acirrado até agora no congresso petista. A Comissão de Reforma Estatutária havia encaminhado uma proposta de fixava 40% do total de dirigentes como mínimo de mulheres. O dirigente Francisco Rocha, o Rochinha, coordenador da corrente majoritária Construindo um Novo Brasil chegou a apresentar uma emenda que reduzia o porcentual para 35%.

Diante da ampla mobilização da ala feminina do governo Dilma Rousseff, no entanto, o setorial conseguiu apoio de lideranças expressivas como o ex-ministro da Casa Civil, José Dirceu, e até do próprio Rochinha que retirou a emenda e passou a apoiar a proposta de paridade.

O resultado da votação foi quase unânime. Quando a grande maioria dos 1.350 delegados levantou seus crachás para aprovar a paridade, integrantes do setorial de mulheres, ministras e deputadas comemoraram com gritos abraços e choro.

O PT é o primeiro partido do País a estipular a paridade entre homens e mulheres nos cargos de direção. Até então, a cota mínima em cargos de direção era de 30%.

Negros e jovens

Também foi aprovado cotas mínimias de 20% para negros e 20% para jovens - com menos de 30 anos. O critério é transversal, ou seja, uma pessoa que esteja em mais de uma categoria entra para a cota em cada uma delas.

Além disso, o Congresso aprovou o aumento do tempo de mandato dos dirigentes de três para quatro anos e a manutenção do PED como mecanismo de escolha da direção partidária. Alguns setores propunham que em vez de eleições diretas o partido realizasse encontros para escolher seus dirigentes.

A etapa extraordinária do 4º Congresso Nacional do PT acaba domingo até lá os 1.350 delegados ainda vão decidir sobre questões polêmicas como a mudança nas regras para disputa de prévias.


    Leia tudo sobre: PTcongressomulheres no podercotas

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG