Após várias tentativas de acordo, o PT admite que a negociação com o PSB para compor a chapa de oposição ao PSDB em SP

Após várias tentativas de acordo, o PT admite que a negociação com o PSB para compor a chapa de oposição ao PSDB nas eleições em São Paulo deve fracassar. Para o presidente do diretório paulista, Edinho Silva, o PSB deve mesmo caminhar para lançar a candidatura ao governo do presidente da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), Paulo Skaf. "Acho difícil o acordo e não vamos fazer mais tentativas, porque se formos para cima vão falar que estamos faltando com respeito com a posição deles", disse Edinho, em entrevista à Agência Estado . "Mas seguimos de portas abertas para o PSB", completou. 

Hoje, o PSDC definiu o apoio à frente de 11 partidos liderada pelo PT, com a pré-candidatura do senador Aloizio Mercadante ao governo paulista. Além dos dois partidos, a coalizão que tentará tirar o comando do Estado das mãos dos tucanos tem ainda PDT, PC do B, PR, PRB, PT do B, PTC, PRP, PSL e PPL. A chapa terá a ex-prefeita e ex-ministra Marta Suplicy como candidata ao Senado. 

De acordo com o presidente do PT paulista, PTN e PRTB ainda negociam a entrada na chapa e até a próxima semana o nome do pré-candidato a vice-governador e o da outra vaga ao Senado já serão definidos. Para vice, o PDT indicou o ex-prefeito de São José do Rio Preto, Manoel Antunes. No entanto, o nome do empresário Ivo Rosset, filiado ao PT, também está sendo cogitado. 

Para a outra vaga ao Senado, com o fracasso do acordo com o PSB que poderia trazer o vereador Gabriel Chalita para ser companheiro de chapa de Marta, o favorito é o também vereador paulistano Netinho de Paula (PC do B). Netinho, inclusive, já faz aparições públicas em eventos da pré-campanha de Mercadante. 

Críticas

Edinho se incumbiu ainda de rebater as novas críticas feitas por membros do PSDB à falta de experiência administrativa e política da pré-candidata a presidente pelo PT, a ex-ministra da Casa Civil Dilma Rousseff. No sábado, em entrevista do jornal O Estado de S. Paulo , o pré-candidato ao governo paulista pelo PSDB, Geraldo Alckmin, defendeu a candidatura a presidente de José Serra e afirmou que "experiência não passa por osmose". 

"A experiência do PSDB é a de quem sucateou o Estado e as políticas públicas, a das privatizações e do rombo das contas públicas; a experiência do governo Lula, da ministra Dilma, é do crescimento com distribuição de renda, da inclusão social, do fortalecimento do papel internacional do Brasil", disse Edinho. "A experiência que eles têm nós não queremos ter", concluiu.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.