PSDB quer que Gleisi explique saída de Itaipu

Chefe da Casa Civil levou indenização ao ser exonerada, embora saída tenha se dado a pedido da ministra

AE |

selo

Felipe Bryan Sampaio/ iG
Ministra da Casa Civil deixou o cargo a pedido
O PSDB vai acionar na próxima semana a Procuradoria-Geral da República pedindo investigação sobre a saída da ministra-chefe da Casa Civil, Gleisi Hoffmann, da Itaipu Binacional, em 2006. Reportagem do jornal O Estado de S. Paulo mostrou que a ministra fez um acordo para ser demitida em vez de "exoneração a pedido". Com isso, Gleisi pode  receber a multa de 40% sobre o saldo do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS), no valor de R$ 41 mil, e sacar outros R$ 104 mil do fundo.

O líder do PSDB na Câmara, Duarte Nogueira (SP), destacou que a ministra foi diretora financeira da estatal. "Como diretora financeira, ela pagou a si própria. Isso precisa ser investigado". Além da representação na Procuradoria-Geral da República, os tucanos pedirão a convocação da ministra na Comissão de Fiscalização Financeira e Controle.

Os tucanos vão pedir ainda que outro ministro compareça à Casa. Eles apresentarão um requerimento de convocação para que Mário Negromonte (Cidades) preste esclarecimentos sobre a denúncia da revista Veja de que ele se reuniu com parlamentares e ofereceu R$ 30 mil mensais em troca de apoio.

    Leia tudo sobre: Gleisi HoffmannItaipu

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG