O PP de São Paulo e o ex-governador de Minas Aécio Neves são, para os tucanos, fundamentais na definição de Dornelles como vice

 Na ofensiva para fazer do PP aliado de José Serra (PSDB) na disputa pela Presidência da República, o coordenador-geral da pré-campanha e presidente nacional tucano, Sérgio Guerra, encontrou-se na noite desta quarta-feira com o deputado federal Paulo Maluf. Ex-prefeito paulistano, ele é a principal liderança do partido em São Paulo

 Os dois jantaram na casa do deputado federal Pedro Henry (PP-MT). O encontro foi marcado a pedido do congressista matogrossense e de Maluf. Eles foram contar a Guerra que a maioria do partido concorda com a indicação do senador Francisco Dornelles (PP-RJ) como vice de José Serra.

 As negociações passam por um aranjo, ainda por definir em São Paulo,  do PP de Maluf com o PSDB e, principalmente, pelo ex-governador mineiro Aécio Neves (PSDB), que é sobrinho de Dornelles. “Ele só não vai ser o vice se Aécio quiser ficar com a vaga”, disse um deputado do PP que tem participado das conversas com os tucanos. Ontem Aécio disse em Uberlândia (MG) que tem conversado com Dornelles sobre a vaga de vice.

 Na quarta-feira pela manhã, a bancada do PP reuniu-se na sede do partido em Brasília. Segundo reportagem do iG, dos 35 deputados que marcaram presença no encontro apenas dois posicionaram-se contra a aliança com os tucanos: Mário Negromonte (BA) e Nelson Meurer (PR). A bancada é formada por 42 deputados.

 Além disso, 15 dos 27 diretórios regionais já defendem a indicação de Dornelles como vice. “Temos muito mais do que isso. As conversas estão avançadas”, disse o senador Sérgio Guerra ao iG após ler reportagem do portal na noite desta quarta-feira. Há 15 dias ele convidou oficialmente o PP para formar aliança com os tucanos.

 O presidente tucano realizou um jantar no seu apartamento em Brasília com cinco deputados do PP: Pedro Henry (MT), Sandes Jr (GO), Ciro Nogueira (PI), Dudu da Fonte (PE) e João Pizzolatti (SC), que é o líder da bancada na Câmara. Esse encontro fez o partido mudar de lado, trocando aliança com PT pela com o PSDB.

 No começo deste ano, 20 diretórios preferiam uma aliança com Dilma Rousseff (PT). A ex-ministra da Casa Civil chegou a participar de um jantar em que o partido anunciou apoio à candidatura dela. O presidente nacional do PP, senador Francisco Dornelles (RJ), e o ministro das Cidades, Márcio Fortes, participaram do encontro.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.