PSDB articula renovação de aliança com PSB em Belo Horizonte

PT, no entanto, está rachado no Estado já que corrente petista defende candidatura própria

AE |

selo

O prefeito de Belo Horizonte, Márcio Lacerda (PSB), deu os primeiros sinais de que pode repetir a aliança com os tucanos em sua campanha para a reeleição em 2012. Num almoço realizado hoje na capital mineira, Lacerda afirmou ao presidente do PSDB mineiro, deputado federal Marcus Pestana, que tem a intenção de marchar novamente com os tucanos no próximo ano.

AE
Marcio Lacerda (PSB), prefeito de Belo Horizonte, já costura alianças para sua reeleição
Com isso, o PSDB larga na frente nas costuras para as eleições municipais de 2012, enquanto o PT administra o racha no diretório mineiro. Nesta semana, aliados do vice-prefeito Roberto Carvalho (PT) defenderam a candidatura própria em 2012. Outra corrente petista defende a candidatura do ex-ministro do Desenvolvimento Social Patrus Ananias à Prefeitura. Para complicar, o ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Fernando Pimentel, defendeu há três semanas, ao lado do governador Antonio Anastasia (PSDB), a renovação da aliança com Lacerda, ressalvando que se tratava de uma "opinião pessoal".

Ainda hoje, o deputado Marcus Pestana se reúne com o diretório mineiro do PPS, dando seguimento às articulações. O dirigente tucano explicou que, superada a ressaca eleitoral com a derrota das eleições presidenciais, o PSDB entra numa fase de "retomada da iniciativa política".

Embora a conversa de hoje tenha sido preliminar, Pestana acredita que Lacerda vai renovar a aliança com o PSDB. Segundo ele, o governo estadual de Aécio Neves e Anastasia levou mais investimentos à prefeitura, "enquanto o metrô de Belo Horizonte, obra de responsabilidade do PT federal, não andou nem um quilômetro", critica.

"Nós é que vamos pensar se queremos repetir a aliança com o PT", disse Pestana, em alusão à polêmica aliança PT-PSDB-PSB, que alçou Lacerda à prefeitura em 2008, articulada por Aécio e Pimentel. Segundo o tucano, o "PT está cada vez mais conservador", lembrando que o governo federal negocia a demissão de 6 mil funcionários das obras da hidrelétrica de Jirau, em Rondônia. Além disso, negou-se a incluir a região do Vale do Jequitinhonha, no norte de Minas, na Medida Provisória que concedia benefícios fiscais à indústria automobilística. "O PT está ficando muito neoliberal para o nosso gosto", alfinetou.

    Leia tudo sobre: PTPSDBrachaeleições 2012

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG