PSB descarta fusão com novo partido de Kassab

Partido da base de Dilma começou a defender uma coligação com o novo PDB, em lugar da união futura das duas siglas

AE |

selo

A cúpula do PSB começou a defender a coligação, e não mais uma fusão, como saída para o partido se aliar ao Partido da Democracia Brasileira (PDB), sigla a ser criada pelo prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab (DEM). Integrantes da Executiva Nacional e líderes do PSB no Congresso pretendem postergar qualquer discussão sobre a fusão para depois da eleição municipal de 2012.

Em jantar na casa do governador do Espírito Santo, Renato Casagrande, há cerca de 15 dias, a ideia foi lançada pelas principais lideranças do PSB como a alternativa "mais sensata" no momento. A proposta enfraquece os planos de Kassab de lançar neste ano uma terceira força partidária, que faria um contraponto à polarização entre PSDB e PT nas próximas eleições.

"Não há necessidade de discutir a incorporação ou a fusão neste momento", afirmou Casagrande, para quem a discussão após 2012 "é mais madura". "Não vamos antecipar o debate, mas vamos nos manter próximos", completou o governador.

"Ano que vem tem eleição. Dá-se impressão de que essa é uma tática ou estratégia para burlar a Justiça. No momento, preferimos que Kassab crie o partido e, lá na frente, se for conveniente, vamos sentar e conversar", disse Antonio Carlos Valadares (SE), líder do PSB no Senado.

A nova legenda é uma saída política para que o prefeito e aliados possam deixar o DEM, ou outros partidos, sem terem o mandato questionado na Justiça por infidelidade partidária. A lei permite a troca de sigla em caso de migração para uma nova legenda. A ideia inicial era criar um partido e depois promover a fusão com PSB, que é da base do governo federal. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

    Leia tudo sobre: kassabdemconvençãopmdb

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG