Projeto Aécio pauta debate tucano para disputa de 2012 em Minas

Nas negociações para a eleição do ano que vem, PT e PMDB engatam namoro na capital mineira e pedirão apoio a Michel Temer

Denise Motta, iG Minas Gerais |

As articulações políticas para a eleição de 2012 ganharam fôlego no início desta semana em Belo Horizonte (MG). Encontros reuniram representantes de 11 legendas para discutir a sucessão municipal. Enquanto o PT e o PMDB centram esforços na capital mineira, a base do governador Antonio Anastasia, liderada pelo vice-governador Alberto Pinto Coelho (PP), leva em consideração o projeto presidencial do senador Aécio Neves (PSDB) na discussão da campanha nos municípios com população superior a 50 mil habitantes.

Leia também: A mais de um ano da eleição, corrida de 2012 já começou

Por mais de duas horas, Pinto Coelho conversou a portas fechadas com representantes de nove partidos (PSDB-PP-DEM-PDT-PSD-PR-PTB-PV-PPS) da base aliada de Anastasia. Na pauta, eleições em cidades com mais de 50 mil habitantes, com exceção da capital. O encontro de Coelho, na sede do PP, foi divulgado para a imprensa no domingo (23).

Agência Estado
Projeto presidencial de Aécio pautou conversas em encontro do PSDB

O evento de petistas e peemedebistas foi divulgado na sexta-feira (21).Apesar do caráter reservado da reunião liderada pelo vice-governador, o iG apurou que esteve em pauta o projeto de Aécio para a corrida ao Palácio do Planalto . “Meu maior desafio, caso Aécio seja candidato em 2014, é trazer o PP”, afirmou o vice-governador, que para a contabilidade de ganhos do PP pode ter seu nome lançado para  a sucessão de Anastasia daqui a três anos.

Divulgação
Marcus Pestana comandou encontro tucano com siglas da base
Alternativas

Hoje o PP integra a base da presidenta Dilma Rousseff (PT). “É claro que nós, por sermos de Minas, vamos trabalhar pelo Aécio. Mas isso também terá que passar por instâncias nacionais”, afirmou um dos participantes da reunião. Um outro apontou como precipitada a discussão do projeto de Aécio em 2014. “Não é hora de discutir isso”, reclamou. Segundo o iG apurou, o PSDB mineiro analisa qual é a melhor alternativa diante das articulações em torno do nome do governador de Pernambuco, Eduardo Campos (PSB), para a sucessão de Dilma.

Saiba mais: Aécio dá nota cinco a Dilma

Os tucanos podem lançar um nome na capital mineira ou apoiar um adversário de Márcio Lacerda (PSB) para tentar enfraquecer o partido de Campos. O DEM, de acordo com o secretário de Transportes de Minas e presidente estadual licenciado, Carlos Melles, afirma que fará o que for melhor para o “projeto presidencial de Aécio” e pode, portanto, caminhar junto com o PSDB.

O representante do PSD, secretário estadual de Gestão Metropolitana, Alexandre Silveira, afirmou ao iG que o partido, por enquanto, não tem nomes para a disputa na capital. Já outras legendas da base tucana em Minas ameaçam lançar candidatos em Belo Horizonte. O PV tem o nome do deputado estadual Délio Malheiros e o PPS do José Fernando Aparecido (recém-saído do PV), por exemplo. O presidente estadual do PSDB, deputado federal Marcus Pestana, saiu do encontro sem falar com a imprensa.

Denise Motta/iG
Carvalho e Quintão integram negociações sobre aliança com o PT no Estado
Namoro

O PT integra a base do governo Lacerda com o vice Roberto Carvalho, mas o casamento entre as duas siglas passa por uma crise. Carvalho é presidente do PT de Belo Horizonte e tem encontrado espaço de destaque em interlocuções com o PMDB do deputado federal Leonardo Quintão, que disputou o segundo turno com Lacerda, em 2008. Nesta segunda-feira (24), houve mais uma rodada de negociações entre os dois partidos e o PDT. A reunião foi aberta para a imprensa e contou com a participação de mais de 20 filiados das legendas envolvidas. “Esta reunião conta com 100% do apoio nosso. Vamos ganhar as eleições e fazer o melhor para Belo Horizonte”, disse o presidente estadual do PMDB, deputado federal Antonio Andrade, defensor da candidatura própria de sua sigla.

Leia mais: Prefeito de BH apela a Lula para manter aliança PT-PSDB

Os presidentes estaduais do PT e do PDT não participaram da reunião. O presidente estadual do PDT (base de Dilma e de Anastasia), Mario Heringer, lembrou que o debate com Coelho mirou eleições nas 51 cidades mineiras com mais de 50 mil habitantes. Já a reunião de petistas e peemedebistas mirou apenas na capital. Com isso, ele justificou a presença de sua legenda nos dois encontros nesta manhã. Enquanto ele esteve no encontro com a base de Anastasia, o deputado estadual sargento Rodrigues, presidente do PDT de Belo Horizonte, reuniu-se com com PT e PMDB. “O PDT estuda lançar candidato próprio em BH”, disse Heringer, sem citar nomes de postulantes.

Carvalho e Quintão, que podem formar uma chapa, negaram que nesta etapa das negociações com vistas à sucessão de Lacerda estejam sendo discutidos nomes. Eles já conversaram com os presidentes nacional do PT e do PMDB, Rui Falcão e Valdir Raupp, respectivamente, e pretendem nos próximos dias discutir os planos de casamento com o vice-presidente da República, Michel Temer (PMDB), e com o ministro do Trabalho, Carlos Lupi (PDT).

A ideia é reunir os partidos da base da presidenta Dilma em torno de um projeto para Belo Horizonte, chamado por Quintão de “BH Cidade Viva”. Nos próximos dias, os petistas e peemedebistas mineiros conversarão também com o PR. Eles ainda pretendem chamar para a negociação o PC do B e o PSB de Lacerda. O PCdoB já sinalizou que vai fechar com o PSB em Belo Horizonte, em troca de apoio à candidatura da deputada federal Manoela D´Ávila em Porto Alegre.

    Leia tudo sobre: Eleições 2012Aécio NevesPSDBPT

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG