Procurador vê privilégio para empresa em Serra Pelada

Dados dão conta de que empresa canadense não abriu espaço para propostas de parceria a outras empresas

Agência Estado |

selo

O Ministério Público Federal já dispõe de dados que mostram que a empresa canadense Colossus Minerals Inc., com sede em Toronto, teve tratamento privilegiado para operar no garimpo de Serra Pelada, no sul do Pará. O procurador da República em Marabá, André Raupp, analisa depoimentos que indicam que a Cooperativa Mineral dos Garimpeiros de Serra Pelada (Coomigasp) não abriu espaço para propostas de parceria a outras empresas. A Coomigasp, que detém os direitos da mina, é controlada por aliados do senador Edison Lobão (PMDB-MA), ex-ministro de Minas e Energia, como mostrou reportagem publicada pelo Estado.

A investigação do MPF pode atingir o processo de retomada da exploração de ouro no garimpo. "O foco (da investigação) é a legalidade da cessão de transferência dos direitos minerários", disse Raupp. A exploração será feita pela Serra Pelada Companhia de Desenvolvimento Mineral, criada a partir de contrato entre a canadense Colossus e a Coomigasp.

De acordo com dois associados da Coomigasp, João Lepos e Etevaldo Arantes, em 29 de junho de 2007 a diretoria da cooperativa publicou na imprensa um aviso, com prazo até 5 de julho de 2007, para apresentação de propostas. Segundo eles, o prazo "claramente exíguo" impossibilitou ampla participação das firmas interessadas. Na opinião dos dois, ocorreu "direcionamento irregular" para a contratação da Colossus, a única a apresentar proposta. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo .

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG