Prefeitos vão a Brasília por R$ 28 bilhões de restos a pagar

Apesar da polêmica em 2010, quando equipe de Dilma pediu que vídeo não fosse apresentado, presidenta deve comparecer à manifestação

Andréia Sadi, iG Brasília |

Um ano após polêmica protagonizada durante o período de campanha eleitoral, a presidenta Dilma Rousseff comparecerá nesta terça-feira (10) à 14ª Marcha dos Prefeitos, em Brasília. O evento, que começa nesta terça-feira (10) e termina na quinta-feira (12), terá a presença de aproximadamente 4 mil prefeitos, ministros e outras autoridades, que cobrarão, entre outras coisas, os chamados "restos a pagar", que tiveram seu cancelamento anunciado pelo governo e somam R$ 27,9 bilhões. A intenção é pressionar a presidenta e o Congresso Nacional.

Segundo levantamento da Confederação Nacional de Municípios (CNM), R$ 1,3 bilhão dos R$ 27,9 bilhões dos restos a pagar referentes a 2007, 2008 e 2009 poderão ser cancelados. Decreto presidencial determina que os empenhos de recursos a pagar de 2007 e 2008 só serão pagos se a obra já tiver sido iniciada ou a mercadoria tiver sido entregue até 2 de abril deste ano. Já o prazo para os empenhos referentes a 2009 vence em 30 de junho deste ano.

Na presença de Dilma, eles devem reivindicar ainda a prorrogação do decreto, para que haja tempo para o maior número de obras serem iniciadas e, assim, o dinheiro recebido. Os prefeitos também pedirão a regulamentação pela Câmara dos Deputados da Emenda Constitucional nº 29 , o financiamento da Saúde e a discussão dos vetos a redistribuição dos royalties de petróleo e gás e do encontro de contas das dívidas previdenciárias.

Polêmica

Em 2010, durante sabatina eleitoral com os adversários José Serra (PSDB) e Marina Silva (PV), a equipe de campanha de Dilma pediu à organização da edição passada da marcha para barrar um vídeo (O calvário dos prefeitos para conseguir recursos - A história do pires na mão) que pretendia mostrar o que enfrentam os prefeitos que saem em busca de recursos.

De maneira caricata, o vídeo traz os prefeitos no gabinete dos ministérios com um pires na mão, fazendo alusão ao fato de eles pedirem dinheiro ao governo. O presidente da CNM, Paulo Ziulkoski, confirmou à época o pedido da campanha petista e o vídeo acabou excluído da sabatina. Neste ano, segundo a assessoria da CNM, a organização não preparou nenhuma apresentação na linha do vídeo vetado, mas afirmou que não houve interferência da Presidência da República na decisão.

*Com Agência Brasil

    Leia tudo sobre: Dilma RousseffMarcha dos Prefeitos

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG