PR diz a Ideli que crise com ministro dos Transportes acabou

Líderes do partido na Câmara selaram paz com Paulo Sérgio Passos e fizeram questão de avisar Palácio do Planalto

Adriano Ceolin, iG Brasília |

AE
Castro, de Roraima, é vice-líder do governo

Líderes do PR na Câmara estiveram hoje com a ministra das Relações Institucionais, Ideli Salvatti, para declarar apoio oficial ao novo ministro dos Transportes,  Paulo Sérgio Passos. Contra a vontade do PR, ele substituiu Alfredo Nascimento (AM) na segunda-feira apenas com o apoio da bancada do Senado.

Leia cobertura completa sobre a crise no Ministério dos Transportes

"Fomos dizer à ministra Ideli que estivemos com o ministro Paulo Sérgio e declaramos apoio total a ele", afirmou o líder do PR na Câmara, Lincoln Portela (MG). "Retomamos nossa sintonia com ele e fizemos questão de comunicar a ministra Ideli", completou o deputado Luciano Castro (PR-RR), um dos vice-líderes do governo na Câmara.

Ontem o PR havia faltado à reunião de Ideli com líderes da base. O partido ainda resistia à nomeação de Paulo Sérgio, que foi promovido de secretário-executivo a ministro dos Transportes sem aval dos deputados do PR. "Ele constaria na nossa lista. As coisas foram atropeladas", disse Castro. "Agora acabou. Nós nunca cogitamos deixar a base governista", afirmou Portella.

O PR também confirmou participar de coquetel com a presidenta Dilma Rousseff , hoje à noite.

Os deputados têm como principal objetivo se consolidarem como interlocutores do partido junto ao Palácio do Planalto. Eles ficaram irritados com o fato de o senador Clésio de Andrade (PR-MG) ter indicado o mineiro Bernardo Figueiredo, atual diretor da Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT), como diretor-geral do Departamento Nacional de Infra Estrutura de Transportes (Dnit).

O senador Andrade afirmou hoje que não teme qualquer tipo retaliação do seu do partido. “Eu não fiz nada demais. Não temo processo algum. Qualquer parlamentar da base aliada por fazer indicações ou pleitos junto ao governo”, afirmou. “Não estou negociando a indicação de ninguém. O que disse é que gostaríamos de um nome de Minas no Dnit. E Bernardo é bom mineiro”, completou.

O mandato de Bernardo Figueiredo à frente da ANTT termina em fevereiro de 2012. Ele pode ser reconduzido para mais um mandato. Segundo o iG apurou, ele não tem interesse em assumir o Dnit porque deseja permanecer na ANTT, onde é reponsável pelo projeto do Trem de Alta Velocidade (TAV), o trem-bala.

Desde a semana passada, Andrade tem dado declarações fora de sintonia com o restante do PR. Ele foi o primeiro parlamentar da sigla a defender a efetivação de Paulo Sérgio Passos no Ministério dos Transportes. Capitaneada pelo secretário-geral do PR, deputado Valdemar Costa Neto (SP), a bancada da Câmara era contra a ideia.

Apesar das divergências, Andrade planeja se reunir com os líderes do PR, Lincoln Portela (Câmara) e Magno Malta (Senado). Portela disse ao iG , porém, que não haverá qualquer punição a Andrade. "Considero ele um grande senador. Como parlamentar, ele pode fazer pleitos individuais. Mas quem fala pelo partido somos", finalizou. 

    Leia tudo sobre: ClésioPR

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG