Políticos lamentam a morte do empresário e ex-vice José Alencar

Personalidades e políticos relembram a trajetória e a importância do ex-vice-presidente para a história do governo Lula

iG São Paulo |

O ministro, Gilberto Carvalho, da Secretaria-Geral da Presidência da República, lamentou nesta terça-feira a morte do ex-vice-presidente José Alencar e lembrou a importância do empresário mineiro durante o governo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva . “Vocês não podem ter a noção da importância que Alencar teve para o presidente Lula e para todos nós nesses oito anos. Nossa gratidão a ele é eterna. O Brasil deve muito a ele por que foi o equilíbrio dele que nos confortou nas horas mais difíceis”.

Carvalho foi informado sobre a morte de Alencar por jornalistas, durante uma entrevista coletiva sobre a reunião de empresários e sindicalistas que tratou dos incidentes envolvendo operários em canteiros de obras das usinas hidrelétricas em construção no rio Madeira, em Rondônia.

Carvalho disse estar preocupado porque a presidenta Dilma Rousseff e o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva estão em Portugal. “Queria dizer para ele ( Alencar ) que ele está no coração de todos os brasileiros e queremos transmitir à família o nosso abraço”. 

Manifestações

Reunidos para uma homenagem póstuma ao ex-governador de São Paulo Mário Cova, políticos do PSDB foram os primeiros no Senado a lamentar a morte do ex-vice-presidente da República. Os tucanos foram surpreendidos pela notícia, dada pelo senador Marcelo Crivela (PRB-RJ), do falecimento do presidente de honra do PRB. “Eu gostaria de pedir que realizássemos uma sessão solene para que possamos prestar tributo da nossa dor”, solicitou o senador fluminense.

Em seguida, na tribuna, o presidente nacional do PSDB, deputado Sérgio Guerra (PE), declarou “profundo pesar” pela morte de Alencar. “Grande homem público, brasileiro dos melhores, honrado, que hoje nos deixa e vai fazer muita falta”, disse Guerra.

O líder tucano no Senado, Álvaro Dias (PSDB-PR), também procurou se afastar das divergências políticas com Alencar, declarando que “nesta hora, não importa saber se é oposição ou governo”. Para o senador, o ex-vice-presidente sempre olhava os interesses nacionais. “Exemplo de coragem e enfrentamento crítico nas questões do País”, afirmou Dias.

Tasso Jereissati (PSDB), empresário e ex-senador, afirmou, em nota, que "a lição que o ex-vice-presidente José Alencar deixa para todos nós, além do seu histórico de empresário e homem público, foi a demonstração de uma fé extraordinária diante das adversidades". "Todo o país, tocado de muita emoção, acompanhou o seu sofrimento e recolhe dele esse exemplo de coragem, de uma espírito de luta nos grande embates da vida, sobretudo pela recuperação da saúde. Seu esforço não foi em vão, porque ele nos deixa essa comovente história", declarou.

Para o senador mineiro Aécio Neves (PSDB-MG), a morte do conterrâneo significou a perda de um homem de “enorme espírito público”. “Ele compreendia como poucos as necessidades de ampliar as parceiras do governo com o setor privado. Foi um guerreiro em toda a sua vida, um empreendedor e um obstinado acima de tudo”, declarou Aécio Neves. Para ele, Minas Gerais perdeu um de seus políticos de raízes mais arraigadas. “Um mineiro em sua essência, ele fazia questão de contar em verso e prosa suas origens. Fica a lembrança de um homem muito cordial, amável, que construiu pontes”, concluiu o ex-governador mineiro.

Mais tarde, em nota, Aécio afirmou que Alencar jamais perdeu a fé, sempre foi bravo e um lutador, que “enfrentou sacrifícios impostos pela doença de forma exemplar, com coragem e desprendimento, e um incorrigível otimismo”.

O presidente da Assembleia Legislativa de Minas, Dinis Pinheiro (PSDB), também lamentou a morte de Alencar. "Nosso sentimento é de profundo pesar diante dessa perda, tão significativa para Minas Gerais e o Brasil, para os mineiros e os brasileiros. O ex-vice-presidente José Alencar foi um homem ímpar. Nos últimos anos, aprendemos a respeitá-lo e a admirá-lo de uma forma especial, a partir do momento em que ele compartilhou com todos a sua luta contra o câncer. Deixa um grande legado como empresário e como homem público. A principal lembrança que guardaremos no coração é a de um ser humano que amava a vida, amava a sua terra, amava as pessoas: um exemplo de fé e perseverança."

O presidente da Câmara, Marco Maia (PT-RS), lembrou o papel de Alencar na luta pela queda dos juros e disse que, apesar das manifestações sobre o tema, ele sempre foi “muito fiel” ao governo de Luiz Inácio Lula da Silva. “Ele soube abrir mão das convicções para defender causas importantes para o País. Hoje temos um sentimento redobrado de perda, porque José Alencar deixou um legado muito importante para a história do Brasil.”

Maia anunciou também que Alencar poderá ser velado no Salão Negro do Congresso Nacional, mas lembrou que a família do empresário ainda não decidiu como, nem onde, será o procedimento. “Essa é a vontade dos parlamentares”, disse.

O líder do governo na Câmara, Cândido Vaccarezza (PT-SP), também lamentou a morte do ex-vice e disse que há um sentimento de pesar e de perda profunda, não só do PT e do Congresso, "mas do Brasil inteiro". "O vice ( Alencar ) faz parte da vida de todos nós. O País sente a perda como alguém da família", comentou Vaccarezza.

O presidente nacional do DEM, senador José Agripino (RN), afirmou, em nota, que Alencar foi um político "de raro espírito público" e um "empresário competente". "Registro minha tristeza pela morte do sempre vice-presidente José Alencar. O empresário competente a quem o Rio Grande do Norte deve desenvolvimento e milhares de empregos", ressaltou.

O líder do PT no Senado, senador Humberto Costa (PE), destacou "a grande lealdade" de José Alencar como vice-presidente da República, sobretudo na crise econômica de dois anos atrás, quando, no seu entender, atuou como conselheiro do governo. "Se não fosse ele, talvez tivéssemos vivido mais turbulência naquela crise".

Para o líder, Alencar deixa "uma lição de vida, de perseverança, de muita coragem". "E para nós do PT, é uma perda muito grande, porque ele era um de nossos filiados de honra". "Perdemos um grande brasileiro, uma pessoa que teve um papel fundamental nesses oito anos de mudança do governo Lula, ele teve a coragem, o desprendimento de se aliar a um operário, a alguém de esquerda para compor uma chapa presidencial. Isso foi fundamental para nossa vitória".

Já a vice-presidente do Senado, Marta Suplicy (PT-SP), lembrou o fato de, na sua luta contra o câncer, Alencar ter fortalecido outras pessoas que padecem da doença. "Ele levou força para milhares e milhares de famílias que têm de conviver com a doença"."É um homem que saiu de uma cidade pequena, com poucas posses, criou um império, uma família maravilhosa, entrou na política porque quis ajudar o Brasil e quis dar a sua contribuição. E depois ajudou a eleger o presidente Lula duas vezes, não só uma. Foi determinante a entrada dele na vice-presidência e deu uma credibilidade diferenciada naquele momento para o presidente Lula", disse ela.

Em nota, o senador Pedro Simon (PMDB-RS) chamou Alencar de "grande amigo" e "brasileiro exemplar". "Sua trajetória foi marcada fortemente pelo trabalho e pela confiança no Brasil, sua vida é um verdadeiro modelo para as novas gerações. A constância, o humor e a fé em Deus com que enfrentou a grave doença, comoveram a todos. Meus sentimentos à família e minhas orações nesta hora de profunda tristeza”, escreveu.

Twitter

Minutos após a confirmação da morte do ex-vice-presidente, políticos e autoridades usaram o Twitter para se manifestar.

“José Alencar foi um guerreiro, a sua vontade de viver e toda a sua trajetória servem de exemplo e nos inspira muito”, escreveu o deputado Antonio Carlos Magalhães Neto (DEM-BA).

Outro senador da oposição que lamentou a morte de Alencar foi Aloysio Nunes Ferreira (PSDB-SP) que, também por meio do Twitter, elogiou o ex-vice-presidente. "Um político honrado, um ministro competente, um vice-presidente leal e um empresário de sucesso. José Alencar é um patriota", destacou.

O vereador de São Paulo Netinho de Paula (PC do B), ex-candidato ao Senado, também se manifestou pelo microblog: “O Brasil perde um ser humano fantástico, de caráter admirável e apaixonado pelo povo brasileiro! Sua luta pela vida foi algo emocionante!”

O ex-tesoureiro do PT, Delúbio Soares, um dos pivôs do escândalo do mensalão, também “twittou” mensagem para o empresário mineiro: “Dor e coração partido com o adeus de José Alencar, um guerreiro”.

Muriaé

Em Muriaé, cidade-natal do ex-vice-presidente, o prefeito José Braz (PP) declarou luto oficial de 3 dias no município. A prefeitura entrou em contato com a família de Alencar hoje e aguarda uma resposta a respeito dos locais em que ele receberá suas últimas homenagens. “Além de muriaense, Alencar era um amigo da cidade, um amigo meu e da minha família. Foi um homem ilustre, sempre estive com ele em Brasília e a cidade é muito grata a ele”, disse o prefeito de Muriaé.

Braz lembrou que nos seis anos em que está à frente da prefeitura da cidade, Alencar sempre lutou por recursos para Muriaé. Ele cita obras de tratamento de esgoto com recursos do governo federal. “Desde quando ele era senador sempre visitou muito a cidade. Fizemos avanços em Muriaé graças ao empenho dele. Muriaé foi a primeira cidade mineira com 100% de esgoto tratado”, lembra.

Muriaé fica na Zona da Mata e possui 98 mil habitantes.

Em Brasília, a morte do empresário mudou a rotina no Congresso. A reunião da Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania (CCJ) prevista para hoje foi cancelada devido à fatalidade. A reunião chegou a ser aberta, mas, tão-logo receberam a notícia do falecimento de Alencar, os deputados decidiram suspender os trabalhos.

A reunião da Comissão Especial da Reforma Política para discutir modelos de sistemas eleitorais também foi cancelada devido à morte do ex-vice-presidente.

A Assembleia Legislativa de São Paulo encerrou a sessão ordinária desta terça-feira em razão da morte do ex-vice-presidente. A Mesa Diretora também decidiu que a sessão ordinária de quarta-feira será dedicada para que os deputados estaduais possam homenagear o ex-vice-presidente.

O presidente da Assembleia, deputado Barros Munhoz, disse Alencar foi um dos maiores exemplos de luta, fé e esperança na história do Brasil. “Um cidadão honrado, com trajetória pessoal, empresarial e política que deve servir de exemplo para todos os brasileiros”.

Já a bancada do PT da Assembleia, em nota assinada pelo deputado Enio Tatto, lembrou a trajetória do ex-vice, “um homem simples que constituiu-se em uma das maiores lideranças empresariais do nosso país”. “Em 2002, José de Alencar fez a opção pelo projeto político que transformou o Brasil; nos tornamos um país desenvolvido e justo. José Alencar foi fundamental na construção do governo Lula. Suas opiniões direcionaram as políticas públicas”.

A Força Sindical manifestou em nota pesar com a notícia da morte de Alencar, “um grande homem que foi valente na luta para superar a doença, que, infelizmente, o levou”. “(Alencar) Manteve uma luta feroz contra a especulação financeira e contra os juros altos”, lembrou a nota.

O presidente em exercício da OAB de São Paulo, Marcos da Costa, lamentou, também em nota, a morte do empresário, que foi chamado de “guerreiro, um grande homem público, um empresário bem sucedido e um político que privilegiou o interesse social e que ajudou , de forma decisiva, a tornar o Brasil um país mais justo para todos os brasileiros”.

*Com informações da Agência Brasil

    Leia tudo sobre: josé alencarmorterepercussão

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG