Polícia Federal prende prefeito de Macapá

Prisão de Roberto Góes, acusado de ocultar e destruir provas, faz parte da Operação Mãos Limpas de setembro

AE |

selo

A Polícia Federal prendeu na manhã deste sábado o prefeito de Macapá, capital do Amapá, Roberto Góes (PDT). O mandado de prisão preventiva foi expedido pelo ministro Otávio Noronha, do STJ.

Góes foi preso por volta das 7 horas em sua casa e será conduzido em avião da FAB ainda neste sábado para a superintendência da Polícia Federal em Brasília, onde, depois de ser ouvido deverá ser transferido para o presídio da Papuda, onde um de seus assessores na prefeitura, Luís Adriano Ferreira, está preso desde 25 de outubro. A prisão do prefeito Roberto Góes é desdobramento da Operação Mãos Limpas, deflagrada em 10 de setembro.

De lá pra cá, o prefeito foi conduzido de forma coercitiva três vezes para prestar depoimento na Polícia Federal e neste sábado foi preso acusado de ocultar e destruir provas, atrapalhando as investigações sobre desvios de recursos da União, licitações e contratações fraudulentas.

Na semana passada, dia 9, a Polícia Federal cumpriu mandados de busca e apreensão nas secretarias municipais de Administração e Finanças. Foram apreendidos computadores e documentos.

A PF encontrou também, numa das salas, a quantia de R$ 35 mil que suspeita tratar-se de propina paga por empresários beneficiados pela prefeitura. Vários funcionários das duas secretarias foram conduzidos para depor na Polícia Federal.

No dia 25 de outubro, a PF prendeu assessores e parentes do prefeito acusados de ocultar, alterar ou destruir provas e ameaçar testemunhas.

Dias antes a PF já havia apreendido na casa de uma sobrinha do prefeito, Brenda Góes, várias pastas com documentos da Secretaria Municipal de Educação. Eram processos licitatórios que seriam "maquiados" na casa de Brenda para dar aspectos de legalidade.

    Leia tudo sobre: amapáoperação mãos limpasRoberto Góes

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG