Polícia Federal indicia responsável por ONG ligada ao PC do B

ONG recebeu R$ 10 milhões em 4 anos do governo. Chefe é homem que trabalhou na campanha de secretário do Ministério do Esporte

Denise Motta, iG Minas Gerais |

Em entrevista na tarde desta quinta-feira, o delegado da Polícia Federal (PF) em Juiz de Fora (MG), Cláudio Dornelas, explicou que a apreensão de 16 malotes com documentos da organização não governamental (ONG) Instituto Cidade foi feita porque os responsáveis pelo inquérito temiam que provas de supostas irregularidades se perdessem durante o processo de investigação, iniciado há menos de 20 dias.

A investigação: Polícia Federal apura convênios de ONG com Ministério do Esporte

ONGs na mira: Novo ministro do Esporte quer trocar organizações por mais Estado

Irregularidades no Esporte: Fraude no ministério é "ponto pacífico", diz Controladoria

Responsável pela ONG, José Augusto da Silva foi indiciado e intimado para prestar depoimento nesta sexta-feira (11) à Polícia Federal. Há outros suspeitos no caso, mas os nomes não foram revelando tampouco a quantidade de envolvidos. O argumento da polícia é de que isso atrapalharia as investigações. Silva atuou na campanha de Wadson Ribeiro, do PC do B, a deputado federal, em 2010. Ribeiro é secretário Nacional de Esporte, Educação, Lazer e Inclusão Social, do Ministério do Esporte.

Policiais federais na cidade do interior de Minas cumpriram mandados de busca e apreensão graças à autorização da 2ª Vara Federal da Subseção Judiciária de Juiz de Fora e novas buscas não estão descartadas. Em quatro anos, o Instituto Cidade recebeu aproximadamente R$ 10 milhões de repasses do Ministério dos Esportes, em convênios considerados suspeitos pela polícia. As suspeitas sobre os contratos vieram a público após reportagens do jornal Tribuna de Minas, de Juiz de Fora. Os responsáveis pelo inquérito informaram que antes da apreensão foram coletados depoimentos de envolvidos.

Em nota, a PF informou que “levantamentos iniciais demonstram frontal discrepância entre o montante dos repasses financeiros e a precariedade dos núcleos abrangidos pelo programa do esporte” e que as buscam visam "sustentar com materialidade autoria de eventuais delitos". Os crimes investigados podem render de dois a 12 anos de prisão.

Perícia

Uma força tarefa será feita por peritos criminais contábeis para verificar a documentação apreendida, em sua grande maioria contratos. Além de documentos, a PF apreendeu HDs da ONG. A análise técnica do material busca descobrir se houve desvios de recursos públicos. o Ministério dos Esportes não é investigado neste momento, frisaram os responsáveis pelo inquérito. A PF de Juiz de Fora suspeita que recibos tenham sido fraudados e notas fiscais forjadas para acobertar superfaturamento de bens adquiridos ou serviços contratados.

Durante entrevista, o delegado da PF informou que a ONG é ligada a uma cooperativa que fabricava materiais esportivos como bolas, camisetas e bonés. Há suspeita de que a cooperativa estivesse burlando a legislação trabalhista, pois não teria constituição legal. Esta parte da investigação caberá a auditores do Ministério do Trabalho, que estiveram na sede da cooperativa.

De acordo com a PF, sabe-se que a cooperativa trabalhava em parceria com presídios em Avaré, interior de São Paulo, e na própria cidade de Juiz de Fora, para produzir bolas que seriam repassadas pelo Ministério dos Esportes para diversos municípios brasileiros. De acordo com a Polícia Federal, a cooperativa é administrada pela ONG e não está registrada na Junta Comercial.

    Leia tudo sobre: crise no esporteorlando silvapc do bongs

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG