Polícia descarta crime político em caso no Paraná

Envolvidos em morte de vice-presidente estadual do PSB confessam que atrairam a vítima para roubar a sua caminhonete

Luciana Cristo, iG Paraná |

Três mulheres e dois homens estão presos na 15a Subdivisão de Polícia Civil de Cascavel (oeste do Paraná), acusados de envolvimento na morte do vice-presidente estadual do Partido Socialista Brasileiro (PSB), Irani Pereira . Os cinco confessaram terem planejado assaltar e matar a vítima, que foi encontrada morta na última terça-feira (8), amordaçada e esfaqueada em uma plantação de soja.

As três mulheres atraíram Irani até o local, onde os dois homens já haviam planejado matá-lo, para roubar a caminhonete. Os dois cruzaram a fronteira com o veículo, depois do crime, e venderam a caminhonete no Paraguai. Cheques que estavam com a vítima também foram levados. Os homens foram capturados na madrugada de hoje (10), no Mato Grosso do Sul, perto da fronteira.

A polícia descobriu ainda um depósito de R$ 9 mil na conta de uma das acusadas, de acordo com o delegado da Divisão de Narcóticos (Denarc) de Cascavel, Carlos Reis. “Eles confessaram que o objetivo era vender a caminhonete e essa era a parte da divisão que cabia a pelo menos uma delas”, disse o delegado.

Irmão do deputado estadual paranaense Reni Pereira, Irani estava desaparecido desde a noite da última segunda-feira (7). Irani foi candidato a deputado federal pelo Paraná nas eleições do ano passado, mas não se elegeu, com pouco mais de 19 mil votos.

    Leia tudo sobre: psbmorteparaná

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG