Prioridade do partido é emplacar o ex-governador José Maranhão uma vice-presidência do Banco do Brasil

Ideli espera contar com ajuda de Temer
AE
Ideli espera contar com ajuda de Temer
O PMDB resolveu conceder um prazo de 20 dias para a ministra Ideli Salvatti (Secretaria das Relações Institucionais) atender aos pedidos de nomeações no segundo escalão do governo da presidenta Dilma Rousseff. Os peemedebistas foram informados de que as nomeações irão ocorrer aos poucos e que poderá haver contraproposta de cargos.

Segundo o iG apurou, a prioridade do PMDB agora é emplacar o ex-governador da Paraíba José Maranhão numa diretoria do Banco do Brasil. A indicação foi feita em nome da bancada do Senado, com a qual Ideli mantém uma afinidade maior do que com a bancada da Câmara. “Ela está animada, disposta”, avaliou o líder do PMDB no Senado, Renan Calheiros (AL). Os dois foram colegas no Senado, entre 2003 e 2010.

Na articulação política junto à bancada da Câmara, Ideli espera contar com a ajuda do vice-presidente da República Michel Temer, que já foi presidente da Casa por três vezes. A ministra precisa diminuir as resistências junta ao líder da bancada peemedebista, Henrique Eduardo Alves. Setores mais raivosos do grupo de deputados já começaram a ironizar Ideli, chamando-a de "garçonete" -- garçom era o apelo do ministro das Relações Insitucionais, Luiz Sérgio (hoje na Pesca)

Nesta terça-feira, Ideli encontrou-se com senadores do PMDB em duas oportunidades. Além da reunião no Palácio do Planalto com lideranças do Congresso, a ministra marcou presença no jantar realizado na casa do presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP), onde o senador Roberto Requião (PMDB-PR) patrocinou o cardápio “porco no rolete”.

A ministra-chefe da Casa Civil, Gleisi Hoffmann, também marcou presença no evento. “Estou com saudades do Senado, mas apreendendo muito na Casa Civil”, disse Gleisi, que pediu para haver mais encontros como o jantar. Ela chegou à casa de Sarney por volta das 22h40, mas ficou apenas 20 minutos no local.

Acompanhada pelo marido, Ideli chegou depois que Gleisi. Ela sentou-se numa mesa junto com líderes Renan, Gim Argello (PTB) e pelo presidente Sarney. A questão dos cargos não foi tratada diretamente, mas os congressistas entenderam que Ideli quer um prazo para convencer a presidenta sobre as nomeações.

Cotado para ocupar o posto de líder do governo no Congresso, o senador Eduardo Braga (PMDB-AM) faltou ao jantar. O senador Renan Calheiros trabalha pelo nome do colega amazonense, pois que deixar o caminho livre para disputar a presidência do Senado em fevereiro de 2013.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.