"Não há qualquer envolvimento do governo de Goiás com a contravenção", disse o governador de Goiás em entrevista na TV

selo

O governador de Goiás, Marconi Perillo (PSDB), defendeu nesta quarta seu governo de um suposto envolvimento com o empresário Carlos Augusto, o Carlinhos Cachoeira, preso pela PF, no mês de fevereiro, durante a operação Monte Carlo, que investiga a exploração de jogos ilegais em Goiás. "Não há qualquer envolvimento do governo de Goiás com a contravenção", disse hoje o governador, durante entrevista ao Jornal Anhanguera (1ª Edição), da TV Anhanguera, filiada à Globo.

Leia também:
Marconi Perillo tem apoio do PSDB, diz Alvaro Dias

Chefe de gabinete do governador de Goiás pede exoneração

Marconi Perillo, do PSDB, vota em outubro de 2010, quando foi eleito governador
AE
Marconi Perillo, do PSDB, vota em outubro de 2010, quando foi eleito governador
Perillo disse, ainda, que determinou ao secretário de Segurança Pública, João Furtado, levantamento das operações de apreensão e destruição de máquinas caça-níqueis, desde janeiro do ano passado, quando assumiu o governo de Goiás. "Desde o início (do governo) determinei o combate duro e efetivo à contravenção no Estado", disse Perillo. Ele disse que está tranquilo sobre o desfecho das investigações e afirmou que policiais, civis e militares, presos sob suspeita de envolvimento com "ilícitos" no Estado acabaram soltos pela Justiça.

O governador revelou ter recebido apoio de seu partido e, em especial dos senadores. Citou o nome de Alvaro Dias (PR) e sua determinação em defendê-lo da tribuna.

Relatório da PF

Perillo surpreendeu, no entanto, ao revelar que teve acesso ao relatório dos delegados da PF, sobre as investigações da Operação Monte Carlo. O governador frisou que pretende imprimir uma reforma administrativa, nos próximos dias, mas evitou entrar em detalhes sobre o pedido de demissão da chefe de seu gabinete, Eliane Pinheiro.

Nesta terça, Eliane Gonçalves Pinheiro pediu demissão do cargo. De acordo com a PF, ela teria obtido informações sigilosas sobre operações policiais direcionadas ao empresário Carlos Augusto Ramos, o Carlinhos Cachoeira.

"Não tenho a temer", escreveu Eliane na carta de demissão. "Injustamente também fui vítima de um grande equívoco, pela coincidência de meu nome com o de outra Eliane, que desconheço, e que protagoniza conversas telefônicas grampeadas na investigação".

Além da destruição de uma centena de máquinas caça-níqueis, nos últimos quatro dias em Goiânia e na vizinha Aparecida de Goiânia, o Diário Oficial do Estado publicou, na edição de hoje o Decreto 7.587/12, vedando a nomeação, contratação e a designação para função comissionada de pessoas que tenham sido responsabilizadas ou condenadas pela prática de infração penal, civil ou administrativa.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.