Pedro Paulo Dias reassume o governo do Amapá

Preso durante a Operação Mãos Limpas, que investiga desvio de recursos da União, governador ficou nove dias detido em Brasília

Agência Brasil |

Após nove dias preso, o governador do Amapá, Pedro Paulo Dias (PP), reassumiu o cargo nesta segunda-feira. Em nota, o Estado informou, por meio de sua assessoria de imprensa, que ele deverá retomar a rotina de despachos nesta terça-feira (21). Preso durante a Operação Mãos Limpas da Polícia Federal (PF), Dias ficou detido na Superintendência da PF, em Brasília. O governador foi solto por determinação do Superior Tribunal de Justiça (STJ) na noite de sábado.

“O governador do Estado do Amapá, Pedro Paulo Dias de Carvalho, chegou a Macapá na tarde desta segunda-feira, às 17h. Dias assumirá automaticamente o cargo e deve retomar a rotina de despachos no Palácio do Setentrião na manhã desta terça-feira. Hoje, Pedro Paulo cumpre agenda política e amanhã se reúne com o governador em exercício, desembargador Dôglas Evangelista Ramos”, diz a nota.

Na última terça-feira, um pedido de impeachment do governador foi protocolado na Assembleia Legislativa do Amapá. O presidente da Casa, deputado Jorge Amanajás (PSDB), encaminhou o pedido para uma comissão especial. Porém, segundo a coordenadoria de comunicação da assembleia, a comissão ainda não foi criada e a votação em plenário do pedido de abertura do processo, marcada inicialmente para hoje (20), ainda não tem data para ocorrer.

Agência Estado
Carreata para festejar a chegada do governador do Amapá, Pedro Paulo Dias (PP), na cidade de Macapá.

A Operação Mãos Limpas investiga um esquema de desvio de recursos que envolve, ainda, o ex-governador do estado Waldez Góes; o ex-secretário de Educação José Adauto Santos Bitencourt; o empresário Alexandre Gomes de Albuquerque e mais 12 pessoas.

As investigações, iniciadas em 2009, revelaram indícios de um esquema de desvio de recursos da União, que eram repassados à Secretaria de Educação do Amapá, provenientes do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (Fundeb) e do extinto Fundo de Manutenção e Desenvolvimento do Ensino Fundamental e de Valorização do Magistério (Fundef).

Além da Secretaria de Educação, outros órgãos do governo do Amapá, como a Assembleia Legislativa, a prefeitura de Macapá, o Tribunal de Contas do Estado, as secretarias estaduais de Justiça e Segurança Pública, Saúde, Inclusão e Mobilização Social, Desporto e Lazer, além do Instituto de Administração Penitenciária estão envolvidos no escândalo.

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG