Pedetista vence eleição em Campinas e fica no cargo até dezembro

Pedro Serafim, que já estava no comando da cidade após cassação do prefeito e do vice , sai vitorioso com apoio do PSDB

iG São Paulo |

Pedro Serafim Júnior (PDT) venceu nesta terça-feira (10) a eleição indireta que definiu o prefeito de Campinas (SP). Serafim, que terá mandato até dezembro, é o atual dirigente interino da cidade e assumiu o posto depois que o chefe do Executivo anterior e seu vice foram cassados por suposto esquema de corrupção.

Saiba mais sobre o caso:
Câmara de Campinas cassa mandato do prefeito Demétrio Vilagra
Vereadores cassam mandato de prefeito de Campinas

Serafim, que se elegeu com o apoio do PSDB, recebeu 22 votos dos 33 vereadores da Câmara Municipal. O vereador Arly de Lara (PSB) obteve 5 votos e Antônio Francisco dos Santos, o Politizador (PMN), um. O procurador José Ferreira Campos Filho (PRTB) não recebeu votos.

DENNY CESARE/FUTURA PRESS/AE
O prefeito interino Pedro Serafim (d) venceu a eleição indireta e continua no cargo

Houve cinco abstenções, três do PT e duas do PV. No ano passado, o então prefeito Hélio de Oliveira Santos (PDT) e seu vice, Demétrio Vilagra (PT), foram cassados pela acusação de desvio de recursos públicos envolvendo a empresa de saneamento da cidade.

Desde a cassação do prefeito Hélio de Oliveira Santos (PDT), conhecido por Dr. Hélio, e do vice-prefeito Demétrio Vilagra (PT), no ano passado, Campinas passou a ser comandada pelo então vereador Pedro Serafim, que era presidente da Câmara Municipal e, portanto, o próximo na linha de sucessão na cidade. Mas, por decisão do Tribunal Regional Eleitoral de São Paulo (TRE-SP), era preciso realizar uma eleição indireta na qual os 33 vereadores decidiriam quem comandaria a cidade até dezembro.

Entenda o caso

Em maio do ano passado, o Ministério Público do Estado de São Paulo (MP-SP) e a polícia divulgaram a prisão de 12 pessoas envolvidas no suposto esquema de fraudes em licitações da Sociedade de Abastecimento de Água e Saneamento S/A (Sanasa), companhia de Campinas. A operação cumpriu 20 mandados de prisão. Entre os envolvidos no caso estavam a mulher do prefeito, Rosely Nassim, e o vice-prefeito, Demétrio Vilagra (PT). Conforme suspeitas da promotoria, a primeira-dama seria a mentora das fraudes.

Depoimentos tomados ao longo da apuração indicam que ela receberia valores de até 7% dos contratos fraudulentos. Rosely era chefe de gabinete do marido, Dr. Hélio. Rosely sempre negou participação no esquema. O vice-prefeito, chegou a ser considerado foragido pela polícia. No dia 26 de maio, Demétrio Vilagra foi preso ao desembarcar no aeroporto de Guarulhos, na Grande São Paulo.

Durante as investigações, o prefeito classificou de "arbitrária, golpe político e execração pública" as operações do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) do Ministério Público (MP-SP) e da Polícia Civil que culminaram na prisão preventiva dos envolvidos, entre eles agentes públicos de sua administração e empresários ligados a empresas de prestação de serviço.

Dr. Hélio foi cassado por envolvimento nas transações fraudulentas que envolviam contratos da Sanasa. Vilagra, o vice-prefeito, assumiu em agosto, mas, em dezembro, sofreu impeachment também por causa do escândalo.

Com Valor Online

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG