PDT vai votar com o governo, afirma líder de bancada

Geovanni Queiróz (PA) garante que, apesar dos problemas no Ministério do Trabalho, partido apoia prorrogação da DRU

Adriano Ceolin, iG Brasília |

Apesar da crise no Ministério do Trabalho, o PDT promete manter-se alinhado aos interesses do Palácio do Planalto em votações no Congresso. O primeiro teste de confiabilidade será a apreciação em segundo turno do projeto de lei que prorroga da Desvinculação das Receitas da União (DRU), marcada para hoje.

“Com ou sem ministério, a gente vai continuar votando com o governo”, disse o líder da bancada do PDT na Câmara, Geovanni Queiróz (PA). “Fomos o primeiro partido a apoiar a candidatura da presidenta Dilma Rousseff e gostamos do governo”, completou

Na semana passada, parte do PDT defendeu a saída de Carlos Lupi do comando da pasta do Trabalho. Há cerca de um mês, o ministério tem sido alvo de denúncias de irregularidades em convênios com organizações não-governamentais (ONGs) ligadas ao PDT.

Lupi sofreu seu momento mais difícil no cargo com a revelação de que viajou um avião cedido por presidente da ONG Pró-Cerrado, Adair Meira, que mantém convênios com o ministério. Em princípio, o ministro negou conhecer Meira. Depois, voltou atrás.

Nos últimos dias, porém, as denúncias refluíram e Lupi ganhou fôlego para permanecer no cargo. O PDT, por sua vez, quer deixar claro ao governo sua posição de apoio à presidenta. Sobretudo para não perder o comando da pasta na reforma ministerial prevista para janeiro.

A bancada na Câmara é formada por 27 deputados. Até o momento, apenas o congressista José Reguffe (PDT-DF) tem defendido publicamente que o partido atue de forma independente. “Temos de votar a favor no que for bom para o País”, disse.

    Leia tudo sobre: Crise no TrabalhoDRU

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG