PDT deve liberar bancada na votação do mínimo

Diante da pressão, o partido da base deve abandonar, pelo menos institucionalmente, a defesa do valor de R$ 560

AE |

selo

Pressionado pelo governo federal, o PDT reúne sua bancada nesta quarta-feira (16) para definir a posição oficial do partido na questão do salário mínimo. Apesar de a legenda ter sido a primeira a propor o valor de R$ 560, a tendência é de liberação da bancada para a votação nesta tarde.

O governo enquadrou o presidente do partido e ministro do Trabalho, Carlos Lupi , e ele vem procurando deputados para pedir votos para a proposta do governo de um mínimo de R$ 545. Aliados afirmam que, se o PDT não encampar a posição do governo, seria justo Lupi perder o cargo que ocupa na administração federal.

Diante da pressão, o partido deve abandonar, pelo menos institucionalmente, a defesa do valor de R$ 560. A decisão de liberar a bancada enfraquece o deputado Paulo Pereira da Silva (PDT-SP), o Paulinho da Força, que é um dos articuladores do valor maior. Com a bancada liberada, o PDT deve dar alguns dos seus 27 votos para a proposta de R$ 545. A reunião acontece na liderança do PDT na Câmara, onde uma bandeira da Força Sindical foi afixada defendendo o valor de R$ 560.

    Leia tudo sobre: PDTvotação mínimo

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG