Bancada firma posição para dar prioridade ao tema, mas reconhece necessidade de buscar um caminho para fazer a discussão

Tema antigo nas discussões internas do PT, a reforma política é descrita como prioritária pelo partido. Tomando por base as discussões de um seminário realizado na segunda-feira e terça-feira, em Brasília, a bancada do PT na Câmara passou a investir no discurso de que é possível aprovar uma reforma ainda em 2011.

Bancada elegeu tema como prioritário para 2011, apesar das dificuldades na articulação do assunto no Congresso
Divulgação
Bancada elegeu tema como prioritário para 2011, apesar das dificuldades na articulação do assunto no Congresso
Segundo o líder do partido na Câmara, Paulo Teixeira (PT-SP), uma opção possível é iniciar o debate pelas fundações partidárias, responsáveis pela elaboração dos programas dos partidos como, por exemplo, a Fundação Perseu Abramo (PT) e a Fundação Teotônio Vilela (PSDB).

Compostas na maior parte por intelectuais e formuladores teóricos, as fundações não estariam contaminadas pela rivalidade eleitoral. “Poderíamos iniciar o debate com um diálogo partidário e acertar primeiro as convergências”, disse Teixeira.

Os principais pontos defendidos pelo PT são a votação em listas fechadas para cargos legislativos e o financiamento público de campanha. De acordo com a proposta petista, cada partido seria responsável por elaborar uma lista de candidatos a, por exemplo, deputado federal, em cada Estado.

A propaganda eleitoral caberia ao partido, não ao candidato. Isso, segundo os petistas, viabilizaria o financiamento público das campanhas. De acordo com o PT, as principais vantagens do sistema são reforçar a fidelidade partidária, baratear as campanhas e melhorar a governabilidade.

Os críticos do sistema argumentam que o controle das candidaturas ficaria todo nas mãos dos dirigentes partidários, cerceando o acesso dos cidadãos comuns ao sistema eleitoral. O debate sobre o aprimoramento do sistema eleitoral acompanha o PT desde a fundação do partido mas se intensificou a partir de 2005, com o escândalo do mensalão. Para os petistas, a necessidade de dinheiro para fazer campanhas levou o partido a admitir a prática do caixa 2 eleitoral.

Além do voto em lista e do financiamento público, o PT defende a intensificação do uso de mecanismos de consulta popular, fortalecimento programáticos dos partidos e aumento da participação feminina como pontos da reforma política.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.