Para Lula, fazer o sucessor é obra programática do governante

Presidente diz que foi criticado por indicar uma mulher que nunca havia sido candidata a nada

Agência Brasil |

Ao discursar hoje, em Ribeirão Preto (SP), o presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse que sempre acreditou que fazer o sucessor é uma obra programática de quem está no governo. Ele afirmou que, ao defender o nome da presidenta eleita, Dilma Rousseff, para concorrer ao cargo, recebeu críticas de pessoas que afirmavam que ela não tinha experiência política.

“Todo mundo sabe que, quando indiquei a companheira Dilma para ser candidata à minha sucessão, muita gente que pensa que entende de política dizia: 'esse Lula ficou louco, endoidou. Como vai indicar uma mulher que não tem experiência política, que nunca militou nos partidos políticos, que nunca foi candidata a nada?'”.

O presidente disse ainda que Dilma Roussef não receberá nenhuma “herança maldita” de seus oito anos de governo. “Nada melhor que, depois da experiência bem-sucedida de um metalúrgico, a gente tenha uma mulher presidente, uma mulher que não vai receber nenhuma herança maldita. Se houver, será lá de fora, causada pela crise econômica de 2008, causada pelos países ricos, a Europa e os Estados Unidos. Será herança maldita lá de fora, porque, aqui dentro, estamos crescendo”.

Ao encerrar o discurso, Lula falou novamente da eleição de Dilma e disse ter a convicção de que ela mostrará que as mulheres querem e podem governar o Brasil.

Álcool

Em Ribeirão Preto, o presidente Lula deu início às obras do Sistema de Escoamento Dutoviário de Álcool. A primeira fase do projeto abrange um duto de 542 quilômetros interligando três trechos: Uberaba, em Minas Gerais, a Ribeirão Preto, Ribeirão Preto a Paulínia e Paulínia a Taubaté – os dois últimos no Estado de São Paulo. A conclusão está prevista para 2012.

O evento de hoje marca o início das obras de um dos trechos da primeira fase, com 207 quilômetros, entre Ribeirão Preto e Paulínia. Nesse trecho, a capacidade de transporte de etanol será de 12 bilhões de litros por ano.

    Leia tudo sobre: luladilmasucessãodutoviário

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG