Oposição se une por CPI mista contra Palocci

Além do PSDB, que já coleta assinaturas para protocolar o pedido, DEM, PPS e PSOL participam da articulação

iG São Paulo |

A proposta de uma CPI mista de deputados e senadores para investigar o ministro-chefe da Casa Civil, Antonio Palocci, uniu a oposição na Câmara e no Senado. Além do PSDB, DEM, PPS e PSOL participam da articulação e vão procurar agora coletar assinaturas entre parlamentares governistas. O PSDB já deu início à coleta de assinaturas nesta sexta-feira (20).

A ementa do requerimento de CPI que está sendo preparado pelo PSDB cita o "extraordinário crescimento patrimonial da empresa Projeto", de propriedade de Palocci, pede a investigação se houve "a percepção de vantagens indevidas" ou o "patrocínio de interesses privados perante a órgãos do governo federal" e avança até sobre a possível "relação desses fatos com a campanha presidencial de 2010". Palocci foi um dos coordenadores da campanha de Dilma Rousseff à Presidência.

Para conseguir instalar a CPI é necessário o apoio de 171 deputados e 27 senadores. Os quatro partidos que aderiram à ideia, porém, têm menos de 100 deputados e somente 18 senadores. Por isso, o discurso já está ensaiado para conseguir apoios de alguns governistas.

"Vamos mostrar para eles que é ruim para o governo, para o Congresso e para toda a sociedade se este caso não for esclarecido. Daqui a pouco a crise se agrava de um jeito que pode paralisar o governo. Vamos mostrar é que nós queremos que essa crise tenha um fim e que isso só acontecerá se esclarecendo os fatos", diz o líder do PPS na Câmara, Rubens Bueno (PR).

O líder do PSOL na Câmara, Chico Alencar (RJ), diz apoiar a iniciativa da CPI e defende que a comissão discuta também o papel desse tipo de consultoria em si. Alencar destacou que seu partido defende uma mudança na Constituição para proibir que parlamentares prestem esse tipo de serviço.

Defesa

Por outro lado, o vice-presidente da República, Michel Temer (PMDB), voltou a declarar a confiança do governo federal em Palocci, independentemente das novas revelações sobre a sua evolução patrimonial. Temer evitou falar numa eventual campanha de desestabilização do governo e destacou que se houver esclarecimentos a fazer, Palocci os prestará. "Nós confiamos nos esclarecimentos que ele venha a dar."

*Com informações da Agência Estado

    Leia tudo sobre: antonio palocciconsultoriaoposiçãocpi mista

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG