Governo só permitirá a volta do projeto à pauta quando houver segurança de vitória, segundo líder governista, Cândido Vaccarezza

selo

A oposição vai insistir em votar na próxima terça-feira o projeto do novo Código Florestal. O líder do DEM na Câmara, deputado Antonio Carlos Magalhães Neto (BA), já encaminhou um pedido formal à Mesa da Câmara para a realização de uma sessão extraordinária para votar a proposta.

Marco Maia (PT-RS) conversa com líderes e parlamentares das bancadas ruralistas e ambientalistas para costurar um acordo para o código, na quarta-feira
AE
Marco Maia (PT-RS) conversa com líderes e parlamentares das bancadas ruralistas e ambientalistas para costurar um acordo para o código, na quarta-feira
O requerimento precisa ser votado pelo plenário da Casa. O governo só permitirá a volta do projeto à pauta quando houver segurança de vitória, segundo afirmou o líder governista, Cândido Vaccarezza (PT-SP). Na próxima semana, Vaccarezza quer votar medidas provisórias.

O governo conseguiu suspender a votação do Código Florestal na madrugada de ontem, para evitar a derrota iminente de parte do texto do relator, deputado Aldo Rebelo (PCdoB-SP). As dissidências espalhadas nos partidos da base e a oposição somavam votos suficientes para derrotar o governo.

"Vaccarezza descumpriu o acordo que fez conosco de votar o projeto na quarta-feira passada. Se ele mantiver a intenção de votar medida provisória, vou considerar rompimento total. Vamos ao extremo", disse ACM Neto. "Podemos até não conseguir votar o Código Florestal na próxima semana, mas não há chance de votar medida provisória. Vamos para a guerra total", completou. O adiamento da votação do Código, patrocinado pelo governo, pode levar a uma paralisia na Câmara.

O líder do PSDB, deputado Duarte Nogueira (SP), também vai insistir na votação. "Há um acordo em torno disso. O governo não pode simplesmente querer inverter a ordem das matérias porque sua base está desalinhada", disse o líder tucano. O presidente da Frente Parlamentar da Agricultura, deputado Moreira Mendes (PPS-RO), também vai trabalhar, a partir de segunda-feira, para a votação do projeto.

"Vamos reorganizar a tropa, sem fechar as portas para o diálogo", disse. "Foi um vexame para o governo, para o líder do governo e para os líderes dos partidos da base que transmitiram às bancadas que haveria votação. Há uma sensação entre os deputados de submissão. Tudo tem limite", afirmou Mendes.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.