Oposição pede saída imediata de Lupi do Ministério do Trabalho

Líderes afirmam que Comissão de Ética deveria ser extinta, caso Dilma não acate orientação de afastar ministro

Reuters |

A oposição reforçou nesta quinta-feira os pedidos para que o ministro do Trabalho, Carlos Lupi, seja demitido, após a decisão da presidenta  Dilma Rousseff de mantê-lo no cargo, contrariando recomendação da Comissão de Ética Pública da Presidência da República de exonerá-lo.

Leia também: Falta de substituto emperra demissão de Carlos Lupi

Agência Brasil
Álvaro Dias diz que Comissão de Ética perde razão de existir se Dilma não acatar orientação de demitir Lupi
Na quarta-feira, a Comissão decidiu aconselhar o afastamento de Lupi, que tem sido acusado de diversas irregularidades. O órgão considerou que houve suposto desvio ético do ministro. Lupi e a presidenta reuniram-se nesta quinta-feira e Dilma decidiu pela manutenção do ministro na pasta.

"Nós estamos diante de uma situação que exige da Presidência da República uma decisão: ou aceita a recomendação da Comissão de Ética e demite o ministro, ou desfaz essa Comissão de Ética. Ela não terá mais sentido, razão de existir, se sua recomendação diante de tantos fatos graves que envolvem o Ministro do Trabalho não for acolhida pela Presidência da República", cobrou o líder do PSDB no Senado, Alvaro Dias (PR), ao discursar no plenário.

O líder do PSDB na Câmara, Duarte Nogueira (SP), afirmou que a permanência de Lupi na pasta é "absolutamente insustentável" e defendeu que Dilma siga a orientação da Comissão de Ética. "O ministro não tinha qualquer condição de permanecer no cargo já há algum tempo. O que mais, além desse posicionamento da Comissão de Ética, a presidente Dilma está esperando? Isso só comprova que a faxina não existe. A presidente apenas reage e, nesse caso, perdeu o timing", disse Nogueira.

Por meio de nota, o líder do PPS na Câmara dos Deputados, Rubens Bueno (PR), também defendeu a imediata demissão do ministro. "Mantendo Lupi no cargo, a presidente ignora uma recomendação unânime de um órgão auxiliar da Presidência da República responsável por zelar pela imagem do governo. É uma postura antiética. Na prática, Dilma está demitindo a Comissão de Ética", afirmou o deputado.

Denúncias

Lupi é alvo de denúncias de cobrança de propinas de organizações não-governamentais conveniadas com a pasta, além de ter supostamente pego "carona" em avião de dirigente de uma ONG que depois veio a assinar convênios com o ministério. Há também a denúncia de que Lupi teria sido funcionário fantasma da Câmara dos Deputados.

Nesta quarta, novas denúncias recaíram sobre o ministro. Dessa vez, a suspeita é que tenha acumulado ao mesmo tempo cargos na Câmara do Deputados, em Brasília, e na Câmara Municipal do Rio de Janeiro.

O líder do governo na Câmara, deputado Cândido Vaccarezza (PT-SP), afirmou que a decisão da Comissão é uma recomendação e que cabe apenas à presidente Dilma a decisão de nomear ou demitir ministros.

"Aquilo é uma orientação. Quem decide sobre a queda de ministro é a presidente", disse o líder a jornalistas. "Eu tenho o Lupi na conta de um homem honesto. Se for comprovada alguma coisa, eu mudo a minha opinião", completou Vaccarezza.

    Leia tudo sobre: crise no Trabalhocarlos lupipsdbpps

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG