Além de Baiano e Vaccari, apontados como operadores do esquema, 19 deputados, 7 senadores e 11 ex-deputados serão investigados por “esquema criminoso montado” na Petrobras

Quase 40 políticos a serem investigados por formação de quadrilha. É o que consta no inquérito aberto pelo ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Teori Zavascki, na sexta-feira (6), para apurar desvios da Petrobras descobertos pela Operação Lava Jato, da Polícia Federal.

O senador Renan Calheiros, presidente do Congresso Nacional: um dos principais investigados
Agência Senado
O senador Renan Calheiros, presidente do Congresso Nacional: um dos principais investigados

São exatamente 37 os políticos que serão alvo das investigações por "esquema criminoso montado na Petrobras" para a prática de corrupção e lavagem de dinheiro, de acordo com o pedido do procurador-geral da República, Rodrigo Janot, acatado pelo ministro do STF. Todos fazem ou já fizeram parte do Poder Legislativo do Congresso Nacional.

São, no total, 19 deputados, 7 senadores e 11 ex-deputados os que responderão por formação e quadrilha. Todos são de três partidos – PP, PT e PMDB –, que, segundo Janot, agiam em associação criminosa. 

Leia mais:
Lava Jato: confira a lista de políticos envolvidos em escândalo
"Não há indícios contra Dilma", diz ministro da Justiça sobre escândalo

Entre eles estão o senador e presidente do Congresso Nacional, Renan Calheiros (PMDB-AL); o senador e ministro de Minas e Energia no primeiro mandato do governo Dilma Rousseff, Edison Lobão (PMDB-MA); e o presidente nacional do Partido Progressista (PP), senador Ciro Nogueira (PP-PI).

“O aprofundamento das apurações conduziu a indícios de que, no mínimo entre os anos de 2004 e 2012, as diretorias da sociedade de economia mista estavam divididas entre partidos políticos, que eram responsáveis pela indicação e manutenção de seus respectivos diretores”, escreveu Janot na petição enviada a Teori.

Além do inquérito para apurar formação de quadrilha, o magistrado deferiu 21 pedidos para investigar autoridades com suspeita de envolvimento em desvios na Petrobras. Ele delegou ao juiz Márcio Schiefler Fontes, que trabalha em seu gabinete, a condução do inquérito criminal sobre autoridades com prerrogativa de foro, em sua maioria.

Veja os políticos que estão na lista da Lava Jato:

O procurador-geral da República elenca o nome de empreiteiras que detinham contratos com a estatal e criaram, segundo as apurações, um cartel que dividia entre si as licitações para obras e repassavam vantagens indevidas a funcionários de alto escalão da empresa, indicados por partidos políticos. O sobrepreço nas obras variava de 1% a 5% do valor dos contratos. Ele afirma na petição que “as vantagens indevidas e os prejuízos causados à sociedade de economia mista federal provavelmente superam R$ 1 bilhão.”

Ao citar os depoimentos do doleiro Alberto Youssef e de Paulo Roberto Costa, ex-diretor de Abastecimento da Petrobras indicado para o cargo pelo PP, Janot afirma que o ex-diretor de Serviços Renato Duque era “o homem” de integrantes do PT na empresa e que Nestor Cerveró, na época à frente da Diretoria Internacional, desempenhava o mesmo papel para parlamentares do PMDB.

Para que os valores passassem de um ponto a outro da cadeia (das empreiteiras para diretores e políticos), as investigações apontaram a existência de “operadores” ou “intermediários”.

Leia também:
"É mais uma 'alopragem' que desmontarei com facilidade", diz Eduardo Cunha
Na lista da Lava Jato, ex-governador de MG diz que investigação revelará verdade
Câmara aprovaria impeachment de Dilma, diz presidente da CPI que derrubou Collor

“Referidos operadores encarregavam-se de, mediante estratégias de ocultação da origem dos recursos, lavar o dinheiro e, assim, permitir que a propina chegasse aos seus destinatários de maneira insuspeita”. A petição encaminhada por Janot explicita que o operador do PP era quase sempre Youssef, que quem recebia em nome do PT era João Vaccari Neto (tesoureiro do partido) e que o intermediário do PMDB era Fernando Antônio Falcão Soares, conhecido como Fernando Baiano.

Em todas as decisões que tomou sobre os requerimentos de Janot, Teori Zavascki recorda que “a abertura de inquérito não representa juízo antecipado sobre autoria e materialidade do delito”, destacando que os pedidos de abertura de investigação têm como base em depoimentos colhidos em delação premiada, que não provam nada.

Veja os nomes que serão investigados por formação de quadrilha:

Aguinaldo Velloso Borges Ribeiro (deputado federal PP-PB)
Aline Lemos Corrêa de Oliveira Andrade (ex-deputada federal)
Anibal Ferreira Gomes (deputado PMDB-CE)
Arthur César Pereira de Lira (deputado federal PP-AL)
Carlos Magno Ramos (ex-deputado federal)
Ciro Nogueira Lima Filho (senador PP-PI)
Dilceu João Sperafico (deputado Federal PP-PR)
Eduardo Henrique da Fonte de Albuquerque Silva (deputado federal PP-PE)
Fernando Antônio Falcão Soares (Fernando Baiano)
Gladison de Lima Cameli (senador PP-AC)
Jerônimo Pizzolotto Goergen (deputado federal PP-RS)
João Alberto Pizzolati Júnior (ex-deputado federal e atual secretário extraordinário de Articulação Institucional e Promoção de Investimentos de Roraima)
João Felipe de Souza Leão (ex-deputado federal e atual vice-governador e Secretário de Planejamento da Bahia)
João Luiz Argolo Filho (ex-deputado federal)
João Sandes Junior (deputado federal PP-GO)
João Vaccari Neto (tesoureiro do PT)
José Alfonso Ebert Hamm (deputado federal PP-RS)
José Linhares Ponte (ex-deputado federal)
José Olímpio Silveira Moraes (deputado federal PP-SP)
José Otávio Germano (deputado federal PP-RS)
Jose Renan Vasconcelos Calheiros (senador PMDB-AL)
Lázaro Botelho Martins (deputado federal PP-TO)
Luis Carlos Heinze (deputado federal PP-RS)
Luiz Fernando Ramos Faria (deputado federal PP-MG)
Mario Silvio Mendes Negromonte (ex-deputado Federal, conselheiro do Tribunal de Contas do Estado da Bahia)
Nelson Meurer (deputado federal PP-PR)
Pedro da Silva Correa de Oliveira Andrade Neto (ex-deputado federal)
Pedro Henry Neto (ex-deputado federal)
Renato Delmar Molling (deputado federal PP-RS)
Roberto Egígio Balestra (deputado federal PP-GO)
Roberto Pereira de Britto (deputado federal PP-BA)
Roberto Sérgio Ribeiro Coutinho Teixeira (ex-deputado federal)
Romero Jucá Filho (senador PMDB-RR)
Simão Sessim (deputado federal PP-RJ)
Valdir Raupp de Matos (senador PMDB-RO)
Vilson Luiz Covatti (ex-deputado federal)
Waldir Maranhão Cardoso (deputado PP-MA)

*Com Agência Brasil

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.