Ministro do STF autorizou investigação de políticos que foram citados por delatores no esquema de corrupção na Petrobras

O Supremo Tribunal Federal (STF) autorizou ontem, 06 de março, a abertura de 28 inquéritos  para investigar políticos que possam estar envolvidos no esquema de corrupção da Petrobras. Os próximos passos são:

Investigações
- O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, precisa pedir autorização para ir atrás de provas como quebras de sigilos, apreensão de documentos e novos depoimentos. O ministro relator, Teori Zavascki, é quem autoriza cada um dos pedidos;

Ações
- Após período para levantar provas, o procurador-geral deverá avaliar se existe material suficiente para formalizar acusação com uma denúncia contra o político no STF;
- O ministro relator notificará os advogados dos acusados e eles poderão apresentar defesa;
- O Supremo irá analisar a defesa dos advogados e decidirá se aceita ou não a denuncia;
- As denúncias que forem aceitas são transformadas em ação penal e os acusados, em réus;
- O ministro-relator, que conduz o processo, pode pedir coleta de novas provas e depoimentos. Os advogados apresentam defesa;

Julgamento
- O ministro redige um relatório e um voto para ser levado a julgamento;
- Os ministro do Supremo analisam o relatório e votam para decidir quem são os inocentes ou culpados, e determinam as penas;
- Não existe prazo para que o julgamento ocorrá;

Recursos
Depois do término do julgamento, os advogados de defesa podem entrar com recursos. 


Leia também :  Investigado na Lava Jato, Eduardo Cunha controla postos-chave na CPI
Ao optar por inquéritos, Janot retarda punições e alivia tensão de políticos


    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.