Investigação aponta que Cerveró usou offshore para lavar dinheiro da Petrobras

Por Wilson Lima - iG Brasília |

compartilhe

Tamanho do texto

Ex-diretor da área internacional da estatal declarou redução de quase 80% no valor de aluguel de uma casa em Ipanema, para uma empresa sediada no Uruguai

Preso pela PF, ex-diretor da Petrobras, Nestor Cerveró é acusado de uma série de irregularidades
Vagner Rosario/Futura Press
Preso pela PF, ex-diretor da Petrobras, Nestor Cerveró é acusado de uma série de irregularidades

O Ministério Público Federal (MPF) e a Polícia Federal (PF) acreditam que o ex-diretor da Área Internacional da Petrobras Nestor Cerveró utilizou uma empresa offshore uruguaia como forma de lavar dinheiro e ocultar parte da propina recebida do esquema de corrupção da Petrobras. 

Entenda o que é a Operação Lava Jato

Segundo as investigações, Cerveró mantinha o controle indireto da offshore uruguaia Jolmey Sociedad Anonima, criada em 2008 por um fundo de pensão. Os policiais e procuradores envolvidos na Lava Jato já levantaram provas de que Cerveró era um dos administradores da offshore, embora ele não apareça formalmente entre os sócios.

Essa empresa era proprietária de um apartamento que Cerveró alugava, mesmo ele sendo proprietário de vários imóveis no Rio de Janeiro. O duplex alugado por ele ficava em Ipanema e tinha valor de mercado de R$ 7,5 milhões. Cerveró tinha outros dois imóveis em Ipanema, de sua propriedade.

Além disso, os policiais federais descobriram inconsistências nas declarações de imposto de renda do ex-diretor da Petrobras, em relação ao aluguel pago por esse imóvel à Jolmey Sociedade. Durante 2011, Cerveró revelou que pagou alugueis à offshore em 2011, no valor de R$ 3,8 mil ao mês. O que chamou a atenção dos procuradores é que, passados dois anos, Cerveró reduziu drasticamente os valores. Em 2012, por exemplo, o aluguel pago à offshore chegou a R$ 816 mensais. Isso por um imóvel com valor de mercado de R$ 7,5 milhões.

“Além da incompatibilidade aparente do valor da locação do imóvel, distante alias do declarado às autoridades policiais pelo acusado, sequer há consistência entre os valores consignados nas declarações para os anos de 2010, 2011, 2012, indicando a fraude”, afirmou o juiz Sérgio Moro no mandado de prisão preventiva expedido contra Cerveró.

 “Especialmente as operações envolvendo os imóveis adquiridos ao tempo e depois do crime caracterizam, em tese, novos crimes de lavagem de dinheiro, já que houve ocultação e dissimulação de características de referidos bens, como a transferência a terceiros, a utilização na aquisição e na transferência de preços subfaturados, a utilização de empresa offshore para ocultação de titularidade real e a simulação de contrato de aluguel”, complementa Moro.

 A suspeita dos investigadores é que as transações feitas em nome da Jolmey Sociedad, na verdade, ocorreram apenas para dissimular o recebimento de propina da Petrobras pelo ex-diretor da área internacional da Estatal.

Venda de imóveis sob suspeita

Conforme as investigações da Lava Jato, além da tentativa de dissimular recebimentos ou pagamentos de valores por serviços, Cerveró também teria cometido crime de lavagem de dinheiro ao repassar a venda de quatro apartamentos no ano passado a valores bem inferiores ao de mercado. Pelas investigações, um dos imóveis foi vendido a parentes de Cerveró por R$ 160 mil e outro por R$ 200 mil. Cada apartamento, conforme avalição judicial de 2013, valia alto em torno de R$ 2,3 milhões segundo os autos da Lava Jato. 

Nona fase da Operação da Lava Jato começou nesta quita-feira (5) e apreendeu grandes quantidades de dinheiro, 500 relógios e documentos. Foto: Polícia FederalNona fase da Operação da Lava Jato começou nesta quita-feira (5) e apreendeu grande quantia de dinheiro, 500 relógios e documentos. Foto: Polícia FederalSuspeito de ligação com Alberto Yousseff, Adarico Negromonte é preso pela PF, em novembro.. Foto: Cassiano Rosário/Futura PressO advogado da Queiroz Galvão, José Luiz de Oliveira Neto, em entrevista em novembro. Foto: Cassiano Rosário/Futura PressRoberto Brzezinski Neto, representante do escritório que defende Renato Duque na Operação Lava Jato, em janeiro. Foto: Cassiano Rosário/Futura PressNona fase da Operação da Lava Jato começou nesta quita-feira (5) e apreendeu grande quantidade de dinheiro, 500 relógios e documentos. Foto: Polícia FederalInvestigações da Operação Lava Jato . Foto: Fotos PúblicasGraça Foster e cinco diretores renunciam ao cargo na Petrobras
. Foto: Fotos PúblicasCosta e Cerveró entram em contradição na CPMI sobre corrupção na Petrobras. Foto: Fotos PúblicasCosta e Cerveró entram em contradição na CPMI sobre corrupção na Petrobras. Foto: Fotos PúblicasCosta e Cerveró entram em contradição na CPMI sobre corrupção na Petrobras. Foto: Fotos PúblicasCosta e Cerveró entram em contradição na CPMI sobre corrupção na Petrobras. Foto: Fotos PúblicasLilian Pinheiro visita o pai, Leo Pinheiro (presidente da OAS), em carceragem da PF, em janeiro. Foto: Futura PressAmigos e familiares do lobista Fernando Baiano o visitam em carceragem da PF em Curitiba (PR), em 21 de janeiro. Foto: Futura PressProcurador Deltan Dallagnol explica como era feita esquema de propina na Petrobras, em coletiva realiazada em Curitiba (PR), no dia 11 de dezembro. Foto: Futura PressSede do Ministério Público Federal, que investiga os desvios na Petrobras. Foto: Futura PressViatura da Receita Federal deixa prédio da construtora Camargo Correia durante operação Lava Jato, em 14 de novembro. Foto: Futura PressMalotes com documentos de detidos na Operação Lava Jato apreendidos pela PF em 14 de novembro . Foto: Futura PressPresidente da construtora UTC, Ricardo Pessoa, é preso pela PF em 14 de novembro de 2014. Foto: Futura PressPolícia Federal vasculha sede da OAS, uma das envolvidas em esquemas de propinas da Lava Jato, em novembro de 2014. Foto: Futura PressFuncionário manuseia obras de artistas brasileiros apreendidas pela PF na Operação Lava Jato, em 16 de maio. Foto: Futura PressPF apreende farta quantia de reais e dólares no Rio de Janeiro, em 17 de março. Foto: Divulgação/Polícia FederalPF apreendeu grande quantidade de dinheiro em cofre na cidade de Londrina, no Paraná. Foto: Divulgação/Polícia FederalEntre os crimes investigados estão contrabando de pedras preciosas e desvios de recursos públicos. Foto: DivulgaçãoSão cumpridas também ordens de seqüestro de imóveis de alto padrão, além da apreensão de patrimônio adquirido por meio de práticas criminosas. Foto: DivulgaçãoCarro de luxo apreendido pela PF. Foto: DivulgaçãoEntre os bens apreendidos, foram encontradas obras de arte no Paraná. Foto: Divulgação/PFPosto de combustível no DF onde foram feitas apreensões. Foto: Divulgação/PFOperação Lava Jato da Polícia Federal. Foto: DivulgaçãoDoleiro Alberto Yousseff segue preso por outras acusações 21 10 2014. Foto: Jeso Carneiro/Agência Senado


 

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas