ONG suspeita fez R$ 13 milhões em convênios com MTE

Fundação Pró-Cerrado teve oito convênios com o ministério desde 2008

AE |

selo

Com foco de atuação na formação profissional do jovem, a Fundação Pró-Cerrado foi beneficiada com R$ 13,98 milhões em oito convênios assinados desde 2008 com o Ministério do Trabalho e Emprego (MTE). Dados do Portal da Transparência do governo federal revelam que a organização não governamental (ONG), criada em 1994 em Goiânia, já recebeu a maior parte do dinheiro. Os últimos desembolsos somaram quase R$ 5 milhões.

iG revela: PDT usa denúncia do iG em pedido de investigação contra ministro
As consequências: Se demitir Lupi, Dilma pode perder 26 votos na Câmara
O problema continua: Projetos sobre regulamentação de ONG estão engavetados

Os volumes mais expressivos de pagamentos foram feitos no primeiro semestre deste ano, quando a fundação já era apontada como uma ONG com suspeitas de irregularidades. No fim de março, a Pró-Cerrado chegou a receber de uma só vez R$ 1,14 milhão para desenvolver programa de qualificação profissional de 4.626 trabalhadores nos Estados de Goiás, Pernambuco e Paraná. Esse convênio prevê um desembolso total de R$ 3,8 milhões, com um custo de R$ 828,39 por trabalhador.

O último pagamento foi feito há pouco mais de um mês, no início de outubro, quando foram liberados R$ 450 mil para um convênio de qualificação de 2.020 profissionais, com curso de formação de carpinteiro, pedreiro e encarregado de obras civis na região do município de Ipojuca, em Pernambuco. Nesse convênio, cada curso vai custar R$ 743,00 por trabalhador. Em outro convênio, a Pró-Cerrado recebeu R$ 1,88 milhão para treinar 2.505 profissionais afrodescendentes. Custo por trabalhador: R$ 750,50.

As informações do Portal da Transparência mostram ainda que quase 13% de todo o dinheiro de convênios assinados entre o Ministério do Trabalho e municípios de Goiás foram para a Pró-Cerrado.

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG