ONG de ex-jogadora de basquete será investigada em São Paulo

Procuradoria da República em Campinas abre inquérito para apurar irregularidades no convênio entre ONG e Ministério do Esporte

iG São Paulo |

A Procuradoria da República em Campinas, no interior de São Paulo, abriu hoje um inquérito civil público para apurar o convênio firmado entre a organização não-governamental Bola pra Frente, atualmente denominada Pra Frente Brasil, e o Ministério do Esporte, comandada pelo ministro Orlando Silva, do PC do B. A ONG, sediada em Jaguariúna, é presidida pela vereadora e ex-jogadora de basquete Karina Valéria Rodrigues, também do partido do ministro. Em entrevista concedida à TV Globo, Karina negou as irregularidades.

Leia também: Dilma defende Orlando Silva e diz condenar 'apedrejamento moral'

Divulgação / Câmara de Jaguariuna
A vereadora e ex-jogadora Karina Valéria Rodrigues é presidente de ONG que será investigada

Segundo o MPF, as denúncias são de supostos atos de improbidade administrativa, enriquecimento ilícito, prejuízos ao erário público e atentado contra os princípios da Administração Pública. As supostas irregularidades sobre a ONG chegaram a ser apuradas pelo Ministério Público Estadual em Campinas. O órgão, no entanto, entendeu que as investigações eram de atribuição do MPF por envolverem o uso irregular de recursos federais.

O MPF investiga se houve direcionamento de procedimentos licitatórios que beneficiassem empresas cujos titulares manteriam ou mantiveram estreitas ligações de parentesco ou de trabalho com diretores da ONG, como a ex-jogadora. Serão averiguados 180 núcleos de Esporte Educacional no Estado de São Paulo, vinculados ao Programa Segundo Tempo, do governo federal, que atenderiam a 18 mil crianças, adolescentes e jovens.

O MPF requisitou à Controladoria Geral da União (CGU) cópias dos relatórios de fiscalizações realizadas pelo órgão sobre a execução de convênios federais pela ONG nos últimos cinco anos. O órgão solicitou, ainda, o fornecimento de cópia integral dos processos administrativos de licitação ou de dispensa de licitação, além dos contratos celebrados nos últimos cinco anos com 13 empresas.

Crise no Esporte

No centro dos preparativos para a Copa do Mundo de 2014 e as Olimpíadas de 2016, o ministro Orlando Silva foi acusado por reportagem da revista Veja de ter recebido propina como parte de um esquema de corrupção montado no interior da pasta . O esquema seria orquestrado pelo PCdoB, sigla do ministro, com o intuito de desviar dinheiro público por meio de convênios com ONGs.

    Leia tudo sobre: Orlando Silvacrise no Esporteministro do EsporteONG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG