OEA condena assassinato de jornalista brasileiro e cobra investigação

Mário Lopes, editor-chefe de jornal eletrônico da cidade de Vassouras foi assassinado com a sua companheira

EFE |

A Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CIDH), vinculada à Organização dos Estados Americanos (OEA), condenou nesta segunda-feira o assassinato do jornalista brasileiro Mário Randolfo Marques Lopes e de sua companheira, Maria Aparecida Guimarães.

Por meio da Relatoria Especial para a Liberdade de Expressão, a CIDH lamentou em comunicado o assassinato ocorrido na madrugada de quinta-feira passada em Barra do Piraí (RJ) e pediu às autoridades brasileiras que investiguem o caso para "esclarecer o motivo do crime, identificar e sancionar adequadamente os responsáveis, além de compensar de maneira justa os familiares das vítimas".

A CIDH explicou que, segundo a informação recebida, pelo menos três desconhecidos teriam sequestrado o jornalista e sua companheira em seu domicílio. Horas depois, os corpos foram encontrados com ferimentos de bala. Mário Randolfo Marques Lopes era editor-chefe do jornal eletrônico "Vassouras na Net", da cidade de Vassouras (RJ), segundo informou o próprio meio, que pede justiça pelas duas mortes em seu site.

No site, Marques criticou e denunciou vários funcionários públicos locais, explicou a CIDH, que lembrou que o jornalista já tinha sofrido um ataque em julho passado, quando recebeu vários ferimentos de bala.

A Relatoria Especial pediu que as autoridades brasileiras realizem "todos os esforços necessários com o fim de prevenir a repetição desse tipo de ocorrência" e lembrou que a Declaração de Princípios sobre Liberdade de Expressão da CIDH assinala que, nesses ataques a jornalistas, "é dever dos Estados prevenir e investigar esses fatos".

A Sociedade Interamericana de Imprensa (SIP) também condenou na sexta-feira passada o assassinato e pediu às autoridades que investiguem a fundo o ocorrido para levar os responsáveis à Justiça. A Federação Nacional dos Jornalistas (Fenaj) também repudiou as mortes e cobra rapidez na apuração dos fatos.

    Leia tudo sobre: BRASIL IMPRENSA

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG