No Rio, Lula avisa que não permitirá cortes no PAC

Presidente disse ainda que não aprovará projeto de distribuição dos royalties do pré-sal

Vicente Seda, iG Rio de Janeiro |

Na sua última visita ao Rio de Janeiro como presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva avisou que ainda tem poder de veto para impedir cortes no orçamento do PAC, como o ministro da Fazenda de Dilma Rousseff, Guido Mantega, chegou a insinuar. Ele afirmou também que vetará, amanhã, a emenda aprovada pelo Congresso Nacional que redistribui os royalties do petróleo entre todos os Estados e municípios brasileiros e não apenas entre os produtores.

AE
'Esta cidade está voltando a ser maravilhosa', diz Lula em inauguração simbólica da estação de teleférico no Complexo do Alemão, no Rio
Lula cancelou diversos compromissos na cidade em função de uma agenda apertada em Brasília. As inaugurações das obras do PAC na Rocinha e da duplicação do trecho entre Santa Cruz e Mangaratiba da BR101 foram feitas por videoconferência , enquanto o presidente foi pessoalmente ao Complexo do Alemão, mais especificamente o Morro da Baiana, onde houve uma inauguração simbólica da estação de teleférico, que passará a ser usada pelo povo em março.

No último dia 6, Mantega afirmou: “O PAC tem projetos que estão terminando este ano, ou que estão para terminar nos próximos. Esses não serão mexidos. Há projetos novos que estão para começar e estes poderão começar mais lentamente, não imediatamente. O PAC poderá sofrer cortes ou ter alguma postergação, é mais uma questão de ritmo”.

Nesta terça-feira, Lula rebateu, se mostrando incomodado com o tema: “Fizeram matérias precipitadas. Eu ainda tenho o poder de veto e isso está sendo negociado. Não torçam para dar errado. Não vão cortar nada do PAC. Temos de esperar o orçamento para dizer o que acontecerá”.

Pré-sal

Lula prometeu também impedir a distribuição dos royalties do pré-sal aprovada pelo Congresso. Afirmou que vetará o projeto, enviando outro projeto de lei com maior porcentagem para os estados produtores, Rio de Janeiro e Espírito Santo. “Talvez amanhã eu receba um projeto. Tenho um acordo com a Dilma, com o Cabral e com o governador do Espírito Santo, Paulo Hartung. Vou vetar (a redistribuição aprovada dos royalties) e mandar para o Congresso um projeto de lei restituindo o acordo que firmamos naquele período. Quero que todos os estados ganhem com o pré-sal, mas os produtores merecem uma maior valorização”.

Agência Estado
Presidente Lula, Sérgio Cabral e o prefeito Eduardo Paes, no Complexo do Alemão, Rio de Janeiro
A solenidade foi das mais animadas. Quase de “férias”, Lula, ao receber a chave da cidade, falou até em roda de samba com Zeca Pagodinho e Martinho da Vila na Gávea Pequena, residência oficial do prefeito Eduardo Paes. “Essa chave vai deixar um buracão na fechadura e eu vou ver muita coisa. Espero que ela me dê direito, quando voltar, a ficar em um belo apartamento alugado, ou ir à Gávea Pequena, para fazermos uma roda de samba como o Zeca, o Martinho, tomarmos uma cerveja”, disse Lula, que prometeu voltar a Rocinha sem seguranças:

“Infelizmente não pude estar com os meus companheiros na Rocinha hoje, mas a partir de março, quando vou poder andar sem essa segurança toda, um dia estarei lá e aí quem não beber fica olhando, e quem beber toma comigo. Essa cidade está voltando a ser maravilhosa. Que vocês (governador Sérgio Cabral e prefeito Eduardo Paes, não permitam retrocesso). O que vocês fizeram é muito mais do que urbanizar, é uma coisa sagrada. Vocês deram liberdade e auto-estima a esse povo. Também teremos aqui um Banco do Brasil. O benefício que a Barra da Tijuca tem, o Alemão também terá”, disse o presidente, que além do teleférico inaugurou um posto da Caixa Econômica Federal na estação do Morro da Baiana.

Lula recebeu de Eduardo Paes uma nota fiscal gigante, mostrando quanto o governo federal cedeu para o Rio de Janeiro nos últimos dois anos:R$ 2.334.699.000,00. O presidente subiu no teleférico na base de Bonsucesso, saltando no Morro da Baiana. Elogiou a vista e disse que Cabral chorou ao passar sobre a favela, antes dominada pelo tráfico de drogas. Ele ainda mandou um recado para os moradores, que só poderão usar o transporte, que reduz para 15 minutos de viagem um trajeto de
3,5 quilômetros, em março. “Tenham paciência, é para o bem de vocês, pela segurança de vocês, que ainda vai demorar mais um pouquinho. Mas quando andarem de teleférico, se virem um baixinho de sunga colorida, é o Lula tomando banho em Copacabana”.

Os moradores das comunidades do Alemão serão cadastrados e poderão viajar (ida e volta) uma vez por dia de graça. O preço para os demais não foi estipulado por enquanto. Segundo Lula, o teleférico do Alemão vai concorrer com o Pão de Açúcar como ponto turístico do Rio. O sistema terá 152 gôndolas, que comportam dez passageiros (oito sentados, dois em pé) cada. Serão seis estações no total.

    Leia tudo sobre: LulaSérgio CabralEduardo Paes

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG