No Paraguai, Patriota diz acreditar em acordo sobre Itaipu

Depois de reunião com o presidente do Paraguai, chanceler brasileiro disse que iniciará uma agenda conjunta intensa entre países

EFE |

O ministro das Relações Exteriores do Brasil, Antonio Patriota, disse nesta segunda-feira (17) em Assunção, Paraguai, que o governo brasileiro acredita que o Congresso aprovará, em breve, os acordos assinados em 2009 com o Paraguai sobre a Hidrelétrica de Itaipu. A afirmação foi feita em entrevista coletiva após reunião com o presidente do Paraguai, Fernando Lugo, no Palácio de López, sede do governo paraguaio, durante sua primeira visita ao país.

"Como resultado das eleições do ano passado, com a nova composição do Congresso, acredito que este ano será mais favorável à ratificação destes instrumentos", disse Patriota em alusão ao acordo assinado em julho de 2009 pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e Lugo.

O governo brasileiro concordou, através desse acordo, com uma série de benefícios reivindicados por Lugo na administração conjunta da Hidrelétrica de Itaipu. Alguns pontos do acordo, como a triplicação das compensações que o Paraguai recebe pela cessão de seu excedente de energia, estão sujeitos à aprovação legislativa no Brasil. Também estipula a construção de uma subestação de transmissão de 500 quilowatts que partirá de Itaipu, a cerca de 330 quilômetros de Assunção, e se estenderá até a localidade de Villa Hayes, a 60 quilômetros da capital.

O chanceler brasileiro destacou que tem "a intenção de ingressar já com uma agenda ambiciosa de trabalho, levando em conta, claro, os compromissos assumidos pelo presidente Lula" com o Paraguai. Patriota também se reuniu com seu colega paraguaio, Héctor Lacognata, com quem conversou sobre a agenda para a próxima visita da presidenta Dilma Rousseff ao Paraguai.

De acordo com Lacognata, a visita pode acontecer em 26 de março, para coincidir com o 20º aniversário da assinatura do Tratado de Assunção, que deu origem ao Mercosul, também integrado por Argentina e Uruguai, e cuja Presidência rotativa é exercida pelo Paraguai neste semestre.

O chefe da diplomacia brasileira também comentou que foram examinadas novas áreas de cooperação e que Dilma buscará durante seu mandato colocar "ênfase na erradicação da pobreza extrema, em educação, saúde e infraestrutura de qualidade".

"Queremos, além disso, promover contatos entre os setores privados dos dois países", mencionou Patriota, que precisou que convidou Lacognata "para fazer uma visita à São Paulo para tentar um encontro com forte dimensão empresarial.

"Trago uma mensagem de muito otimismo no que corresponde a nossa relação bilateral", enfatizou o diplomata brasileiro, além de ressaltar a excelente relação comercial entre ambos os países. Também felicitou o Governo paraguaio pelo crescimento econômico obtido em 2010, de 14,5%.

O comércio bilateral entre Paraguai e Brasil alcançou, no ano passado, a quantia de US$ 3,16 bilhões, o que significou um aumento de 39% em relação a 2009, segundo o Itamaraty. Quanto a sua visão sobre a situação da política regional, Patriota opinou que "todos os Governos da região são democráticos, todos têm políticas para promover o desenvolvimento social" e que "o resto do mundo está dando conta de que algo importante está ocorrendo nesta região".

Patriota viajará, na tarde desta segunda-feira, para Montevidéu, onde será recebido na terça-feira por seu colega uruguaio, Luis Almagro, e pelo presidente, José Mujica.

    Leia tudo sobre: PatriotaParaguaiItaipu

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG