Negromonte admite que pasta refez parecer sobre obra da Copa

De acordo com o ministro das Cidades, a operação foi realizada sem seu consentimento

AE |

selo

O ministro das Cidades, Mário Negromonte, admitiu hoje, em entrevista à rádio EstadãoESPN que seu chefe de gabinete, Cássio Peixoto, pediu a reanálise da nota técnica que vetava a troca da obra de uma linha rápida de ônibus (BRT) para outra de veículo leve sobre trilhos (VLT) em Cuiabá (MT). E afirmou que o fez sem sua ordem. "Ele ( Peixoto ) solicitou a reanálise do projeto", disse. "Agora, ele não fez a meu mandado, não." Na entrevista, Negromonte negou fraude no caso, chamou o repórter do Grupo Estado de mentiroso e desligou o telefone durante a conversa.

Saiba mais: Fraude no Ministério das Cidades encareceu obra da Copa

Conforme revelado pelo jornal O Estado de S. Paulo , documento forjado pela diretora de Mobilidade Urbana da pasta, Luiza Vianna, com autorização do chefe de gabinete do ministro, adulterou parecer que vetava a intenção do governo de Mato Grosso de trocar a implantação de BRT pela construção de um VLT e assim respaldou tecnicamente um acordo político que mudou o projeto de infraestrutura da Copa do Mundo de 2014 em Cuiabá.

AE
O ministro das Cidades, Mário Negromonte, admite chefe de gabinete refez parecer, mas nega ter avalizado operação

Na entrevista à EstadãoESPN, Negromonte negou que tenha havido fraude no caso. Disse que houve uma "divergência" entre técnicos da Agência Executora das Obras da Copa do Mundo no Pantanal (Agecopa). "O que houve foi uma divergência de opinião dos técnicos. Havia a opinião de um técnico dando um parecer e a opinião de outro técnico, da diretora Luiza Gomide Vianna, que é mais bem preparada, que reavaliou o parecer", disse. "Não houve fraude. Estão querendo colocar chifre em cabeça de jumento."

Em muitas das respostas, Negromonte repetiu que mandou abrir sindicância para avaliar o caso e que se nega a demitir funcionários na pasta para não "prejulgar" os envolvidos.

Sobre manchete publicada hoje pelo jornal O Estado de S. Paulo , Negromonte negou que a Controladoria Geral da União (CGU) tenha reprovado a mudança no projeto para o VLT. Segundo o jornal, relatório do órgão que rejeita a troca é datado de 8 de setembro, mesmo dia em que a pasta produziu uma nota técnica forjada para respaldar a proposta.

A CGU alerta que o VLT não deve ficar pronto até a Copa do Mundo de 2014 e que o governo de Mato Grosso omitiu informações sobre os gastos com esta obra, orçada em pelo menos R$ 1,2 bilhão, R$ 700 milhões a mais que o BRT. "Não tenho conhecimento do parecer técnico da CGU", afirmou. "O jornal se precipitou."

Ao final da entrevista, o ministro se irritou com o repórter Leandro Colon. "Não engano ninguém. Você é quem mente. Você está querendo prejulgar", disse, antes de desligar o telefone alegando que estava entrando em uma audiência.

    Leia tudo sobre: crise nas cidadesmário negromonte

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG